E quando nada mais te faz feliz?

7 comentários:

A. Borges em 30 de maio de 2011 11:58

Pois é Yama, já passei por situação semelhante, e só foi resolvida, infelizmente, quando comecei a namorar. Não deu certo com aquela, já tratei de procurar uma nova (com quem estou até hoje). Aquela sensação de desistência da vida, é perigosa. Muito perigosa.
Não tenho como te ajudar, mas saiba que podes contar comigo pra muitas coisas!
E não espere que eu aprove o retorno ao cigarro...

Yama em 30 de maio de 2011 12:00

Ainda acho o cigarro uma solução muito mais viável! HA HA HA

rodrigo roig em 1 de outubro de 2013 00:31

partilho a sua dor! aliás, senti que estava lendo algo que eu mesmo havia escrito, exatamente a mesma dor! Tocar bateria??? vixi... vou desbundar no sofá ou jogar GTA!

Yama em 1 de outubro de 2013 07:47

Espero que encontre a saída, levei um bom tempo. Mudei de emprego, melhorei bastante, aí comecei a ter outros problemas e no final de setembro pedi as contas.

Leticia Calmon em 17 de julho de 2014 12:56

interessante como a vida é simples e nos trás essas sensações , eu sou estudante de história tranquei a faculdade por duas vezes , pânico , falta de ânimo... Vou retomar esse semestre mas da mesma forma que descreveu me sinto , como se nada fosse importar e nada do que eu faça tenha algun resultado impactante na minha vida . Me sinto apenas cansada ... Diferente de vc estou sem emprego ... Também não tenho namorado , e me distanciei de quase todos os meus amigos. Sinto que as coisas que eles reverenciam como as melhores coisas para eles , são fúteis , egoístas e simplesmente não me encaixo . Quero recuperar minha alegria e ver nas coisas um sinal de vida , mas nem sei por onde começar ... E ai o que vc fez?

Yama em 17 de julho de 2014 22:19

Levei um bom tempo, mas em junho de 2012 mudei de emprego. Respirei novos ares, conheci pessoas novas, comecei a ficar muito mal, mas muito mal e pedi demissão em setembro de 2013.

Me afoguei no trabalho, comecei a ter uma desempenho péssimo e não sabia como reverter esse quadro. Fiquei quatro meses em casa, coçando o saco, desenvolvia um pouco, logo cansava e largava tudo. Tentei jogar por um tempo, cansava e largava. Aí decidi brincar de ser cozinheiro, fiquei feliz, muito feliz por um bom tempo.

Já no terceiro mês, voltei a procurar um trabalho, mas sem muita vontade de encontrar um. Quase no final do quarto mês, meu ex-coordenador me chamou para almoçar, tivemos uma conversa super agradável e voltei para a empresa.

Estou trabalhando várias horas por dia, de sábado, estou meio pregado mas estou tão feliz que nem eu mesmo acredito. Meu tesão por desvendar mistérios voltou, até porque estou no meio de novos desafios, brincando com coisas novas. Isso me faz feliz, tal qual meu ídolo House, fico feliz em resolver coisas.

Isaac Mourao em 14 de abril de 2016 00:30

Me encontrei em suas palavras colega,acho que eu mesmo nao descreveria melhor o que estou passando nesse momento

Postar um comentário