Ato I - O despertar.

2 comentários:

Juliana Gonçalves. em 31 de janeiro de 2014 00:20

Adorei. Ainda mais pelas minhas gargalhadas em alguns momentos no texto, mas enfim... Amei, amei a coragem da "personagem", coragem que sempre invejei, confesso que queria ter sido e ser "sem vergonha" como ela, e como algumas pessoas do meu mundo real, porém acabo escondendo esse lado com livros e algumas linhas de costura.

Por mais que tenha lembrado de poucas coisas da minha vida nesse texto, ele me mostrou o quanto eu perdi sem me jogar de cabeça. Isso só me mostrou o meu maior defeito como ser humano...

Amei, como tudo o que faz, escreve. Espero ansiosamente pelo Ato II ! E dessa vez admito fiquei perdidamente enamorada pela advogada do teu texto, acho que todo mundo devia ter um pouco dela em si.

Beijos.

Yama em 31 de janeiro de 2014 09:00

Ah, não existem muitas garotas/mulheres que são como ela, no máximo lançariam um olhar e aguardariam alguma atitude do cara. Mas sempre tive em mente que o transporte coletivo não é o melhor lugar para certas interpretações. rs

Nunca pare pra pensar no que perdeu, pense sempre no que ganhou ou poderá ganhar. O que passou, passou. rs

Esse texto seria apenas mais um lançado sem continuação, não sei por que meu subconsciente insistiu em dividir novamente em atos. Não faço nem ideia de como se desenrolará o segundo, mas vamos aguardar. rs

Beijão

Postar um comentário