2013.

2013.

Mais um ano terminando e o que você fez para mudar de vida? Deixou de fumar? Fez uma dieta? Comprou um carro? Ficou milionário graças a mega-sena? É, todo ano fazemos aquele balanço para ficarmos decepcionados por não termos feito nada do que prometemos no início do ano. Por isso, te dou um conselho, não faça planos para a porra do ano.

Há algo de bom em planejar o ano novo, mas só vale se você se esforçar e seguir a risca todas suas expectativas. Claro, novamente você se frustrará porque não cumprirá nem 30% daquilo que prometeu, e olha que as promessas foram pra você mesmo.

Finalmente, o fim.

Fim.

E temporariamente o vlog acabou, foi extinto, não teremos mais vídeos novos. Finalizei mais uma temporada, depois de mais de dois anos brincando com vídeos, sem contar os vídeos que tenho da banda, porque não produzi esses, mas são bem poucos. Comecei brincando com vídeos como se fossem um pequeno diário das minhas reclamações e indignações, decidi editar igual diversos famosos depois que esse estilo se popularizou no Brasil, antes disso tinha medo de ser chamado de plagiador, sim, por mais incrível que pareça, em alguns momentos da vida, prefiro evitar opiniões alheias negativas.

Desde criança gostei desse negócio de vídeos mas não tinha como fazê-los. Nunca tentei fazer humor ou fazer as pessoas rirem, apenas quis mostrar ao mundo um pouco das coisas que pessoas fazem e me irritam. Fora os ensinamentos para crianças que estão começando a vida, se bem que adolescentes de 15 pra cima, não estão começando...

Meus sentimentos...

The notebook.

Se pudesse sentir apenas 1% do que você desperta em mim, provavelmente, ficaria maluca. Não de tesão, muito pelo contrário, é algo muito mais grandioso. Não que o tesão não seja sentido, também é, mas existem outros sentimentos que talvez sejam mais importantes. Ah, cada sorriso seu me mata, me deixa amordaçado e sofro em silêncio toda tortura possível.

Talvez a tortura psicológica seja a pior de todas, imaginar que talvez nunca possa tê-la, é pior que ficar em uma prisão de muros altos. Ser livre fisicamente de nada adianta, afinal de contas, tenho os pés no chão e sei que talvez esse amor seja impossível. Apenas por uma única razão: a distância de nossas mentes.

Tudo ao mesmo tempo.

Muitas coisas...

Fim de ano, vamos falar de natal e ano novo? Mas nem fodendo! Vamos simplesmente falar sobre o que ano que finda em alguns dias, aliás, dos feitos que ocorreram por aqui. Um ano cheio de mudanças, na verdade, não foram muitas mudanças mas grandiosas, pelo menos pra mim.

Não sei como consegui manter esse blog e o vlog, a falta de tempo anda me deixando um tanto quanto maluco. Mas no saldo geral, não tenho do que reclamar, apenas das poucas visualizações. No caso do blog, não posso reclamar, afinal de contas, nunca divulguei de forma eficiente, na real, não tentei mesmo divulgar porque nunca fiz questão que as pessoas lessem isso aqui.

Apenas um passo.

Abismo.

Enquanto olhava para seus cabelos esvoaçando na brisa do mar, gritei inutilmente para você voltar. Não sei se não me ouviu ou simplesmente me ignorou, mas você deu um passo sem volta.

Coisas me incomodam.

Desespero.

Ando sentindo algo inexplicável, parece saudade, dor de amor ou aquela sensação horrível que sentimos quando amamos alguém e não estamos bem. Não sei explicar, mas sei que não é por alguém específico, sei que não estou em crise emocional, do tipo, precisando de alguém, estou bem resolvido nesse quesito.

Mas é uma sensação sufocante, algo que me consome durante algumas horas nos finais de semana e a parte boa é que não ocorre em todos. Tem um lado bom, sempre que estou com a família, não sinto isso, talvez seja a falta deles que venho sentindo e não percebi. Será? Tudo bem, não passo mais tanto tempo quanto antes mas também não passo tão pouco tempo assim. Em alguns momentos, sinto vontade de fazer algo diferente, sinto falta de diversas coisas que fazia, diversas pessoas com quem convivia, mas passa algum tempo e estou tranquilo.

Onde está a produtividade?

Criatividade.

Quero fazer tanta coisa ao mesmo tempo que nem sei por onde começar. Primeiramente, preciso editar e escrever um post, qual faço primeiro? Sinceramente, não sei sobre o que escrever, o vídeo basta editar, mas se não escrever, não terei como programar o post pra amanhã. Isso é algo que admiro em muitos blogueiros, principalmente aqueles que postam algo todos os dias, de onde vem tanta criatividade?

Sei que muitos provavelmente virão com fórmulas quase mágicas para explicar como é possível tirar alguma inspiração para fazer algo criativo, mas a questão é que a sua fórmula pode funcionar com você e não comigo. Da mesma forma que duas pessoas que fumam a mesma quantidade de cigarros podem ou não desenvolver um câncer no mesmo prazo. Diga-se por passagem, um deles pode fumar até morrer e não ter nenhuma complicação respiratória.

Um dia de sol...

Felicidade.

Contemplo seu lindo corpo nu estirado em minha cama, ocupando praticamente todo espaço, uma de suas pernas atravessada em cima da minha cintura, me impedem de sair. Meio com receio de te acordar, faço um pequeno esforço para movê-la e poder sair da cama. Vou até a cozinha para preparar um café, faço torradas do jeito que você adora, suco de laranja bem gelado com duas pedras de gelo, pego uma flor qualquer em seu quintal e volto para te servir.

Você estava acordada ou quase isso, porque me perguntou que horas da madrugada eram. Respondi que eram 10h e dei um sorriso de felicidade. Ah, como é bom te ver acordar, te ver sorrir, apesar da grande preguiça...

Quase proporcionei uma grande alegria.


Nesta segunda-feira, 03 de dezembro de 2012, pensei seriamente em encerrar a carreira de vlogueiro. Algo completamente mal sucedido, sem sentido, sem critério e sem poesia. Talvez se houvesse planejamento, as coisas fossem completamente diferentes, mas como não há nenhuma equipe de apoio...

Mr. Texas Pizza.

Pizzaria do caralho!

Há pouco mais de um mês tive o imenso prazer de conhecer essa pizzaria, graças a um panfleto que deixaram na minha cunhada. Vamos experimentar, deve ser boa, tem massa pan, uhulll... Minha cunhada ligou insistentemente, mas sem resultado. Sugeri que fôssemos buscar a pizza e aproveitar para conhecer o local, vai que utilizam restos humanos para rechear as bordas.

Chegamos no local, lugarzinho bem bonitinho, pinta de pico de playboy, ambiente bem americanizado, gostei do lugar, não que eu seja um playboy. Fomos para o caixa fazer o pedido e fiquei apaixonado pela atendente, como meu irmão disse: Lembra a Demi Moore. Simpática pra caralho, até estranhei, pensei: Por trás de toda essa beleza e simpatia, tem que haver algo ruim. Fomos muito bem atendidos e até que não demoraram pra soltar nossa pizza. Bacana, comemos e gostamos muito da pizza.

Novamente sobre as mudanças no vlog.

Vlog.

Semana passada tomei uma decisão, sem antes consultar os espectadores, havia decidido acabar com o bordão e com o vai-e-vem em frente as câmeras. Como gosto de ouvir opiniões, criei uma votação na fan page, questionando se deveria acabar com o bordão e com o vai-e-vem ou se deveria manter como está. E não é que a maioria votou para manter, tudo bem que foram poucos votos, mas são sempre poucos que opinam sobre o vlog.

A parte preocupante, será que é simplesmente porque gostam ou por causa da famosa resistência à mudanças? Tenho minhas dúvidas, talvez não devesse me preocupar tanto com a opinião, mudanças são necessárias como já preguei em toda a vida, mas em alguns momentos temos certo receio. Talvez, depois de lançar o primeiro com a mudança, a opinião das pessoas mudem, mas andei pensando bem e como a Bárbara, que me deu a dica sobre não cortar as ideias no meio, também comentou sobre o detalhe de ser algo que diferia meus vídeos de outros.

Na estante de todas vocês.

Own...

Me sinto na obrigação de sempre escrever um "Na sua estante" em consideração a Juliana. Quando falo sobre obrigação, não leve para o lado negativo, de ser algo ruim ou coisa parecida. Apenas me sinto em débito todas vez que deixo de postar um. E também, não posso deixar de escrever porque é um dos tópicos que mais rendem por aqui, não que eu atinja 100 visualizações, mas é algo que percebo que as pessoas leem.

Falo melhor de amor que minhas frustrações e indignações? Será? Ah, eu não reclamo mais, verdade. Talvez falar sobre experiências amorosas, tanto as que vivi como as que ouvi, deve ser algo legal. Eu sinceramente não compreendo, já que não sou escritor, nem sei escrever corretamente e muito menos inventar histórias.