Ato I - O despertar.


Eu queria falar de amor, mas você tirou isso de mim. Já nem sei mais pronunciar essa palavra, há muito se extinguiu de meu vocabulário. Talvez seja por um curto período, mas não acredito nisso, essa era minha última chance de tentar descobrir o grande significado dessa palavra.

Tarde chuvosa, você esperava pelo ônibus das 17h45 enquanto eu estava quase chegando ao ponto. Sentei ao seu lado, você olhou pra mim com o canto do olho, provavelmente para ver se não era nenhum bandido ou algo do gênero. Não retribuí seu olhar, pois nunca gostei de puxar conversa com pessoas desconhecidas, mesmo sua beleza chamando mais atenção que um pote de ouro. Ficamos ali, em um silêncio profundo, quase não passavam carros, então o silêncio era matador.

Ajude um pobre coitado e ele continuará pobre e coitado.

A dama e o vagabundo.

Muitas pessoas precisam de ajuda, seja financeira, seja uma mão, seja um pequeno favor... Sim, um dia todos precisaram ou precisarão pedir ajuda para algum amigo, parente, irmã(o), pais, mas a grande questão é saber quando se deve ou não ajudar alguém.

Para mães não existe essa última parte, se o filho matar, roubar, estuprar, ela sempre protegerá, existem algumas mães que são sensatas mas não são muitas. Um dia, normalmente no início da vida financeira, seu filho passará por alguma dificuldade. É mais que normal uma mãe ajudar seu filho, afinal de contas, é seu filho. Todas querem vê-lo bem, não querem ver passar perrengue ou apertos que são muitas vezes um infortúnios da vida.

Pessoas sem bom senso.

Tem cérebro ali?

Pessoas, cada uma tem seu limite, cada uma sabe o que é capaz de suportar, mas e quando nada é suportável por alguém? Compreendo certas atitudes vindas de adolescentes, mas chega uma certa idade que muita coisa não deveria ser comportada.

Uma pessoa que não sabe lidar com chefia, não sabe engolir sapo, pelo menos alguns, não consegue parar em qualquer emprego. Claro que existem chefes e chefes mas muitos tem bom senso e reclamam apenas de situações realmente necessárias. Ah, você não acredita nisso ou não sabe compreender que certas cobranças são realmente necessárias?

De cama em cama.

Sexo vazio.

O sexo vazio já não cumpre o seu papel. Os beijos em vão já não me excitam. Novas faces, novos sorrisos, novas línguas que nada dizem. Como vim parar neste mundo de faz de conta? Como cheguei a um nível tão baixo, talvez imoral, banal, não sei definir exatamente. O vazio me consome, a falta de amor está me deixando doente?

Desde que parti carrego um vazio enorme, não tento preenchê-lo com álcool como muitos, apenas atravesso o mundo pulando de cama em cama sem a intenção de me amarrar novamente. Aquelas amarras que me prenderam por longos oito anos e meio, desculpe, não foi bem uma reclamação, apenas frise um detalhe.

Pessoas.

Vai ser ruim assim na casa do caralho!

Algumas pessoas entram na sua vida por acaso, se não fosse por aquele instante, talvez nem teria conhecido alguém que poderia mudar as coisas. A maioria das amizades, pelo menos as que se mantém por um bom tempo, normalmente agregam algo a sua vida. Aprendemos muito com o convívio, seja diário ou apenas em finais de semana, mas as pessoas que nos cercam normalmente nos ensinam muitas coisas ou nos fazem desenvolver certos sentimentos que talvez não fôssemos capazes de sentir sozinhos.