31º dia

Último?Postando atrasado, já que a consulta ocorreu na terça-feira, 29 de março, mas preciso comentar sobre isso porque fiz em todas as consultas. Conversamos de uma forma diferente, até porque cheguei comentando que pararia de fazer terapia. Mas foram papos bem bacanas com assuntos muito interessantes.
Aprendi diversas coisas interessantes, notei e ela me mostrou diversas melhoras em relação a compreensão que eu tinha de mim mesmo. Noto que agora consigo pensar antes de simplesmente agir em diversos momentos, claro que de vez em quando dou um pequeno escorregão mas nada demais.
Percebi que preciso brigar, não da forma antiga, mas preciso brigar mais por algumas causas que não deveriam necessitar disso, preciso não me deixar mais de lado, preciso aprender a psicologia básica que fala sobre nos amarmos. Realmente, a vida inteira falei brincando sobre morrer, algumas vezes talvez até de forma séria mas nunca fiz nada em relação a isso. Na realidade, não fiz nada diretamente, mas indiretamente fiz diversas coisas ruins. Como não me cuidar, nunca me preocupei com a saúde, nunca pensei em ter um plano de saúde e quando tinha nunca me preocupei em fazer um check-up para verificar se minha saúde andava bem ou não. Foi algo muito esclarecedor, já que nunca enxerguei nessa forma mesmo com outras pessoas me mostrando isso. Claro que ninguém expôs a situação como ela e talvez por essa razão não tenha ficado em minha mente como ficou agora. Fiquei extremamente feliz com essa parte da conversa, me fez pensar em algumas coisas e rever alguns conceitos de vida.

Vlog 0145 - Você cai em phishing?

Smooth criminal

Minha pequena florzinha - 14 O início do fim

Minha pequena florzinha - 14 O início do fim.Distância, talvez esse tenha sido nosso maior problema. O engraçado é que não comento sobre distância física, mas sentimental, pelo menos era o que sentia nesse momento, uma enorme distância sentimental. Por mais que a florzinha estivesse a meu lado, muitas vezes ela parecia muito distante, mas realmente distante. Os finais de semana já não eram mais os mesmos, tudo que eu precisava era ouví-la dizer algo, qualquer coisa que fosse, mas eram raros os momentos em que parávamos para conversar.
Era algo estranho, porque conversávamos bem pelo msn ou telefone, mas pessoalmente parecia que não haviam mais assuntos a serem conversados mas mesmo falando de vez em quando por telefone, ainda haviam muitas coisas a serem discutidas ou mesmo contadas, mas o silêncio muitas vezes nos atormentava. Até mesmo seus beijos mudaram, ficaram frios, houve uma explicação não tão aceitável, talvez até certo ponto. Compreensão, era tudo que me pedia, que entendesse certas coisas, mas coisas simples como um beijo não poderiam ser negadas. Por mais que a castidade fosse algo extremamente visado em nosso caso, era possível nos beijarmos como dois namorados normais, afinal de contas, pela teoria nós éramos isso até pouco tempo atrás. Diversas coisas mudaram nesses últimos tempos, diversas coisas sumiram, de repente, sem deixar vestígio ou explicação. Questiono, questiono e questiono e ouço sempre a mesma resposta, de que não há nada de errado, que nada aconteceu, que nada mudou.

Aprender ou sempre perguntar?

Aprender é bem mais difícil...Perguntar é um ato que deveria acontecer sempre que você possui uma dúvida. É algo inevitável em diversos momentos de nossas vidas, até porque não nascemos com todas as informações necessárias já disponíveis em nossos cérebros. Mas há uma grande diferença em tirar uma dúvida para aprender e apenas utilizá-la somente naquele momento. Os segundos, minutos, horas, dias, semanas, meses e anos passamos absorvendo coisas a todo momento. Pela teoria, deveríamos acrescentar diversas informações para aumentarmos nosso conhecimento.
O grande mal de perguntar é quando esse ato serve somente para resolver seu problema naquele momento, quando a resposta recebida não serve para aprender algo novo e guardá-la. Sim, existe uma grande diferença entre aprender e somente resolver o "seu" problema. Vamos supor que você seja um mecânico, então seu "passatempo" será lidar com motores a todo momento. Claro, uma dúvida ou outra surgirá, mas a cada pergunta feita, a resposta servirá como aprendizado, o mecânico deve aprender aquilo e levar para o resto de sua vida, já que provavelmente aquela informação nova será necessária daqui uma semana ou talvez um ano. Agora, se você utilizar essa informação apenas naquele momento e decidir não aprender aquilo, simplesmente utilizar essa informação apenas para solucionar o seu caso naquele momento, quando precisar novamente, não lembrará. Essa é uma pequena diferença entre aprender e apenas solucionar momentaneamente algo.
O grande problema é que utilizar uma informação sem tentar aprender aquilo que estão te passando, torna-se um vício, em todo momento que você poderia resolver algo sozinho, você simplesmente perguntará para alguém. Acredito que nenhum dono de empresa goste de colaboradores que agem dessa forma, porque não tem sentido, aquilo que deveria ser respondido sem auxílio ou demora, sempre será questionado pela mesma pessoa, sim, aquela mesma que você já ensinou uma, duas, três vezes ou mais. Porque é realmente confortável ficarmos nessa situação de não termos que aprender e simplesmente sairmos perguntando tudo que precisamos naquele momento.
Aprender é realmente difícil, não é tão fácil para certas pessoas, é algo muito custoso e doloroso. E não confundam isso com simples medo ou insegurança, não é isso que vejo todos os dias em meu escritório, vejo pessoas folgadas, pessoas que estão mais interessadas em bater papo do que qualquer outra. Porque existe um cara que é atormentado o tempo todo com perguntas desse tipo, daquelas que você explicou na semana passada e estão lhe perguntando novamente na semana seguinte, isso se não acontecer no dia seguinte. Podemos pensar que o cara não sabe explicar? Poderíamos se realmente o cara tivesse a pior forma do mundo de explicar e se para ajudar a informação em questão fosse algo realmente complexo, mas não é o caso. O cara tem uma didática super bacana, explica da forma mais clara do mundo e todos respondem para ele que entenderam e tiraram suas dúvidas. Se fosse minha pessoa nesse caso, talvez compreendesse que algumas dessas pessoas não entendessem o que foi explicado. Mas no caso desse camarada, não consigo realmente entender como as pessoas não conseguem entender o que ele explica.

Preciso ser mais

Corra para novos rumos...Não preciso ser mais que alguém, sinto sempre necessidade de ser mais do que sou, não me sinto à vontade por ter estagnado durante tantos anos, não ter testado novos horizontes, não ter partido para novas jornadas. Eu que tanto critico pessoas estagnadas, no fundo, me tornei uma, apesar de sempre aprender algo novo mesmo fazendo as mesmas coisas, não me sinto tão bom quanto me sentia antes. Na realidade, nunca me senti bom o suficiente, nunca achei que superei o que era necessário superar e por isso não entendo até agora como consegue estagnar por tanto tempo. Não deixei de lutar, voltei a batalha, os estudos, apesar de ter parado durante uma semana e poucos, me trouxeram imensa satisfação e olha que nem me aprofundei muito ainda, mas as poucas coisas que aprendi nessa nova linguagem e as poucas coisas que desenvolvi me deixaram muito motivado a brincar com novas ferramentas. Fiquei feliz em ter melhorado mais por poder voltar a estudar que qualquer outra coisa. Senti falta do trabalho, sim, um pouco de estresse faz parte já da minha vida e não consigo viver sem, parece que necessito me "castigar", de certo ponto de vista, e a falta disso me deixa com uma extrema sensação de vazio. Mas o mais bacana será voltar a estudar, resolver quebra-cabeças, assim como House, tenho essa maldição de querer solucionar tudo que é mais complexo e que cai em minhas mãos. Estou batalhando para chegar a um nível como cheguei no VB6 mas agora em ASP.NET com C#, entre outras pequenas coisas, não quero mais o brinquedo velho, quero algo novo, preciso revitalizar minha alma profissional antes que realmente me canse das coisas.

Amo minha profissão mas...

Amo a profissão mas não a equipe.Em tudo que escolhi na vida, e das diversas coisas que acabei largando, uma escolha mais que acertada foi a minha profissão. Estava adentrando um buraco escuro, onde não fazia ideia do que aquilo poderia ser mas foi uma escolha muito bem acertada. Já devo ter comentado algo similar em outros post, sobre o fato da minha primeira ex-namorada ter me ajudado a encontrar um curso e etc..., e graças à ela hoje ser o que sou, claro que nem tudo dependeu dela, mas o início de tudo se deu por ela. Naquela época ainda não sabia o que queria fazer da vida, não estava nem aí para nada e não corria atrás de nada mas ela me mostrou um caminho e trilhei até chegar aqui.
Foi uma das melhores escolhas, fato, mas no entanto existem diversos outros pontos que tentam me convencer do contrário, claro que em qualquer área existe esse tipo de coisa e pessoa. A única coisa que me incomoda é realmente não ter outras equipes dentro da mesma empresa ansiando pelo mesmo destino, a superação. É triste ver alguns se esforçarem enquanto outros tentam apenas ficar com as migalhas, porque é mais fácil de alcançar do que lutar pelo bruto. Um dia cheguei a me questionar se realmente existe esse tipo de coisa em qualquer outra empresa, nunca quis acreditar que todas sejam assim, que tenham péssimos funcionários ou pessoas que não estão nem aí para nada. Mas no fundo, sempre soube que existia, só não queria acreditar que o número de perdidos fosse muito superior ao número daqueles que querem vencer.
A triste realidade é que realmente existe esse tipo de coisa em qualquer empresa, algumas vezes mais, outras menos. A grande questão é que nem por isso devemos nos comparar às outras e simplesmente ficarmos "satisfeitos" porque estamos no padrão da maioria. Nunca é tarde para recomeçar, mas para isso é necessário ainda acreditar e isso não vejo mais em nenhuma das almas que ainda resistem firmes. Acho engraçado, já que aquilo sempre foi o "sonho" e a "esperança" de algumas delas, como sempre disseram. Ninguém quer batalhar para melhorarmos as coisas, eu exagero, mas ainda prefiro o exagero a não fazer nada. O grande problema é que desisti de certas coisas e também entrei para o mesmo marasmo que alguns ali enfrentam. Não que tenha abandonado o que tenho para fazer que é de total responsabilidade minha mas desencanei de "brigar", ou melhor, de lutar para que outros setores mantenham-se firmes quando necessário. Sim, desencanei porque é como muitos dizem, não adianta lutar sozinho, e era o que estava fazendo, brigando sozinho por uma causa perdida. Melhor assim, não me estresso mais com nada, não me importo com muitas coisas que sei que não darão em nada, apenas sigo atrás das coisas que ainda valem a pena e que realmente preciso fazer. Se ninguém enxerga o que eu vejo, então que as coisas continuem do jeito que estão.

Vlog 0139 - Notícias e relembrando as grandiosas.

Ciúmes? Nunca!

Ciúmes?Uma vez pensei sentir ciúmes em minha vida, depois de alguns anos, analisando bem, descobri que o que senti nunca fora ciúmes. Não que não seja algo tolerável, até certo nível é algo bem aceitável, tudo que não levamos aos níveis extremos de excesso podem ser coisas saudáveis.
Estou revendo todas as temporadas do seriado "theO.C." e me deparei com os episódios onde Ryan vê coisas em que a maioria enxergam como ciúmes ou bobeiras de sua mente. É engraçado, eu não lembro de praticamente nada da série, mas quando cheguei nesses episódios onde o tal de Oliver entre na parada, fiquei receoso e com o pé atrás e não foi a toa. Ryan sentiu a mesma coisa que senti em todos os meus relacionamentos por causa de determinadas pessoas.
A diferença entre sentir ciúmes e você ficar puto da vida porque percebe que algum "amigo" de sua companheira não quer ser apenas amigo, são coisas bem distintas e diferentes. Isso foi demonstrado de uma maneira incrível nessa parte da 1ª temporada mas não lembrava disso. Isso me inspirou a escrever neste exato momento, porque lembrei que nunca senti ciúmes, talvez algo muito pequeno que seria possível chamar de ciúmes, mas nunca fui do tipo meio maluco ou obsessivo. Já senti extrema raiva quando vi uma ex conversando com um cara por quem ela teve vontade de beijar ou quando percebi que alguém que ela chamava de amigo, era também interessado nela. Fora isso, nunca fiquei com pé atrás vendo-a conversar com pessoas que realmente sentia que havia somente amizade.
Outra coisa bem diferente também, é o modo como sua namorada se porta. Uma coisa é ser uma pessoa brincalhona com todos, mas existem certas brincadeiras que não são bacanas, prefiro não citá-las aqui, de repente isso pode levá-los a reverem seus conceitos com seus respectivos companheiros. Acho que liberdade é algo realmente bacana, damos liberdades para pessoas que confiamos, mas acho que existem um limite para certos tipos de brincadeiras. Mas uma coisa é certa, muito agarra-agarra é algo que não me deixa muito feliz... Claro, tudo depende do nível e do tempo de amizade que sua parceira possui com o cidadão em questão. Mas isso também, do meu ponto de vista, é diferente de simples ciúmes porque você conversou com alguém do sexo oposto sem a presença de sua namorada, mesmo tendo a plena certeza que nunca rolaria nada entre você e essa pessoa. Ou simplesmente porque você cumprimentou uma pessoa com um abraço, tipo, "what the fuck"?
Existe uma linha tênue entre o ciúmes e as coisas que realmente merecem certa atenção, cabe a você distinguí-la e utilizá-la muito sabiamente. Isso pensando em não transformar seu relacionamento em um caos de ciúmes possessivo e compulsivo. Pequenos detalhes são muito importantes e o ciúmes faz parte deles, mas saiba como lidar com cada situação para que seu relacionamento não vire uma prisão e o final todos já sabemos qual será.

Bruce Lee my brother

Bruce Lee.Algo que me remete a infância são os filmes do Bruce Lee, assisti praticamente todos, tudo que existia acho que assisti. Quando criança, ia com meu pai a locadora para escolher filmes e sempre escolhia algum filme dele, gostava muito de filmes de artes marciais, mais especificamente os de Bruce Lee.
Essa madrugada, como não estava bem e não conseguia dormir, parei para ver alguns filmes, melhor, tentei ver alguns filmes e um deles foi o "Bruce Lee my brother", lançado em 2010, ele conta a história do jovem Lee até ele partir para América. É um filme bacana, bem diferente de uma documentário lançado há muitos anos atrás, vale a pena assistí-lo se for um fã de sua arte.


Ilusões da vida

Ilusões.Por alguns instantes consigo compreender porque algumas pessoas fazem uso de bebidas ou drogas para fugirem de sua realidade totalmente fora de controle. Por alguns instantes penso em fugir da realidade, em vagar por mundos obscuros onde possa ser qualquer coisa, ver as coisas funcionarem da maneira que quiser e desejar o que quiser. Infelizmente, algumas verdades ou fator, me fazem manter os pés no chão, me fazem ser firme e realista em relação à algumas coisas que não gostaria de enfrentar na vida.
Mas não tenho mais tanta idade para sonhar, não tenho o privilégio de me deixar levar por utopias que seriam o ideal para vida de qualquer pessoa. Sonhos que jamais serão realizados, temos na adolescência, claro, ninguém é proibido de sonhar mesmo depois de velho, mas algumas coisas devem ser deixadas para trás. O engraçado é que não tenho sonhos tão inalcançáveis, sonho com coisas simples mas que exigem também a participação de outras pessoas, e como não podemos contar com ninguém para determinadas coisas, melhor chamá-los de utopias mesmo.
Gostaria de poder contar com as pessoas da mesma forma como algumas contam comigo. Gostaria de não ser decepcionado da mesma forma que tento não decepcioná-las, mas é algo extremamente difícil de ser realizado, a esperança pode ser sempre a última a morrer, mas está morrendo. Diversas coisas que acontecem, ou deixam de acontecer, me desanimam demais. Tudo aquilo que mais me alegrava a vida, tornasse algo destrutivo ou acaba virando um tormento, aquilo que todos desejam que não aconteçam em suas vidas. Claro, nada é tão simples e fácil, se tudo fosse fácil, ninguém daria tanto valor as coisas, mas tudo tem que ser tão complexo e estressante?
Espero que o futuro que planejo seja diferente, claro que não entrarei de cabeça nele imaginando que tudo melhorará, mas que algumas coisas mudem pelo menos, não aguento mais a mesmice, não aguento mais os mesmos problemas... Quero ver um futuro promissor ali na frente, aquela famosa luz no fim do túnel, quero ver que realmente algum esforço será tomado em conjunto para mudar as coisas...

30º dia

A punição.Estresse, totalmente controlado, totalmente domado, na realidade, praticamente se encaixaria melhor. Em diversos momentos sinto desânimo, desmotivação e por fim, parei de dar murro em ponta de faca, ela exemplificou com uma pedra, deve doer um pouco menos. Realmente, estou assim ultimamente e fico feliz, pelo menos com os pontos de vista que ela me apresentou de minha história, não tinha pensado pelo lado protetor.
Sim, estou me protegendo de me machucar mais com coisas desnecessárias, mas no fundo ainda me sinto um tanto quanto culpado. Praticamente encontrei uma forma de me punir, coisa não havia enxergado desse ponto de vista. Talvez a falta de interesse em brigar e sair em busca do trabalho das pessoas tem que me deixado com um certo peso na consciência, fato, mas isso não quer dizer que simplesmente desencanei de tudo apesar de enxergar dessa maneira. Realmente é possível ser uma forma de me proteger do estresse em excesso e desnecessário, uma forma legal de lidar com a situação extrema em que a empresa se encontra.
Fiquei feliz com os diversos momentos em que comentei que sentia vontade de explodir mas me continha, me acalmava para não surtar. Claro, esse tratamento tinha que dar algum sinal que está funcionando, senão não há sentido em prosseguir. Fico feliz com meus avanços, não sei se todos enxergam alguma melhora, mas eu vejo muitas, talvez outros não enxerguem porque evito que as coisas aconteçam mas internamente sei o que estou passando e segurando. Me senti tão bem hoje que voltei caminhando, estava próximo ao shopping Higienópolis e vim caminhando até a estação Paraíso do metrô, andei mais um pouco, totalizei 01:16h de caminhada, achei que chegaria em casa em menos tempo mas acredito que fui mais rápido que o ônibus.

Vlog 0134 - Estou inscrito, por que avisar?

Se o amor tivesse alguma lógica...

Lógica do amor.Por diversas vezes tentei encontrar alguma lógica nos relacionamentos que tive na vida, obviamente que essa busca foi insana e totalmente sem sentido. Nunca entenderemos os motivos que nos levam a apaixonarmos por alguém, alguns pequenos detalhes são realmente notórios, mas alguns mais complexos nunca serão de fácil compreensão, por isso nunca desvendaremos o que nos leva a paixão exacerbada por alguém que mal conhecemos.
Realmente não sou uma pessoa de fácil compreensão e muito menos fácil de se lidar, mas em algumas poucas raras exceções em minha vida, fui uma pessoa dócil. Talvez algumas porradas que a vida me concedeu tenham me tornado uma pessoa um pouco mais amarga. Decidi em um determinado espaço de tempo, que seria mais "feliz" sendo uma pessoa solitária, que não tivesse com quem me preocupar, além daquelas pessoas básicas com quem nos preocupamos a vida inteira, mas em alguns momentos me pego pensando em como seria diferente se estivesse novamente em uma relação. Penso nisso por uns 5 minutos e logo volto ao mundo real, aquele mundo onde não deixo espaço para tal tipo de sentimento.
Mas, gostaria que o amor tivesse alguma lógica, algo plausível que me ajudasse a ser mais compreensivo nos relacionamentos, que me fizesse seguir a diante quando tudo pede para que fique parado no mesmo lugar. Queria conseguir compreender certas coisas para poder conciliar minha falta de paciência em determinados momentos de um relacionamento, porque ninguém é de ferro, por mais que ame a pessoa com quem está, somos seres humanos e passíveis de perdermos a cabeça em alguns momentos da vida. Gostaria de ser mais dedicado a tal pessoa, pensando em relacionamentos anteriores, porque em diversos momentos da vida, sei que falhei com minha presença, sei que não fui um ser totalmente centrado em certos momentos. Não quer dizer com isso que você deva acabar com sua vida, extinguir a sua individualidade, porque como um amigo sempre lembra, não é porque estamos namorando ou casados que devemos exterminar nossa individualidade, haverão aqueles momentos que serão somente seus, independente do tipo de relacionamento que você tenha, isso o ajuda a manter sua cabeça no lugar e o relacionamento.
Queria entender essa coisa de paixão, amor, entre outros derivados, para evitá-los, porque existem certos momentos em que não é cabível você despertar tal sentimento. Existem algumas relações que não são aprovadas para acontecerem e não digo isso como um religioso ou alguém que se justifica somente através dos olhos de outrem. Penso, em diversas, no "bom senso" e sei que algumas coisas não devem acontecer, não tem sentido, não tem lógica ou pior, não acabarão muito bem.
Desvirtuando completamente, sempre reclamo de coisas básicas de um relacionamento, que não quero encheção de saco, de gente cuidando de minha vida, entre diversas outras reclamações de diversos homens. Mas acredito, que no fundo, eu tenho é medo de me ferir, de me ver novamente no fundo do poço, de ter que virar noites e noites pensando em alguém que simplesmente poderá esquecê-lo num piscar de olhos. Como todos pensarão nesse momento: "O tempo cura tudo...", talvez, não tenho mais certeza disso, em certos momentos da vida me pego pensando em diversas coisas do passado que não deveriam nem mesmo ser lembradas. Achei que o tempo faria eu me esquecer até mesmo de quem eu era nesta época, que me ajudaria a controlar coisas nos tempos de hoje, que me faria focar naquilo que realmente almejo... Mas para minha infelicidade, o lado escuro de minha mente, aquele lado que não controlamos, anda me tomando com diversos infortúnios provindos de minhas lembranças que levei diversos anos para apagar...
Escrito ao som de "Angel" de Sarah Mclachlan.

Vlog 0130 - Você olha a data de validade?

29º dia

Vida social?Sem muitas novidades, um estresse passado na semana passada, nada demais, aparentemente, coisa controlada. Vários indícios de insatisfação, de desânimo, entre outras coisas, mas vamos levando a vida como podemos.
Um foco interessante comentado foi sobre minha vida social, notei que não tenho uma, não que já não soubesse. Me sinto um tanto quanto confortável em minha casa, mesmo que esteja longe de tudo e de todos, mas mesmo assim talvez seja bom me relacionar pessoalmente com alguém de vez em quando.
Outro fato, que talvez possa ser preocupante, essa coisa do 8 ou 80, em relação aos estudos, talvez esteja me escondendo por trás dos estudos, eu não creio nisso mas é um caso para se avaliar e pensar muito. Começarei a me policiar para ver se estou utilizando os estudos como algo para me esconder das pessoas ou evitar situações incontroláveis.