Minha pequena florzinha - 03 O dia seguinte

Minha pequena florzinha - 03 O dia seguinte.Domingo, fui almoçar novamente na casa da minha segunda mãe, fizemos outro churrasco com o que sobrou da noite anterior, sobrou praticamente tudo para fazermos um outro churrasco ignorante. Não lembro se fui um dos primeiros ou último a chegar nesse dia, na realidade, não lembro de muita coisa desse domingo a não ser que vi novamente a sobrinha de minha amiga querida.
Novamente minha sobrinha e ela se enfiaram lá no quarto, quase não ficaram lá embaixo, achei que o único momento em que a veria seria na hora do almoço. Almoçamos, ela desceu para almoçar, quase não troquei palavras com ela, somente o necessário, comi bem nesse domingo também, aliás, sempre que há um churrasco é praticamente um pecado para minha gula. Não sei dizer se é gula ou se como bem mesmo, mas o fato é que como muito. Ficamos à mesa sentados, conversando bastante, rindo, um dos meus amigos ficou sonolento, ele está acostumado a tirar um cochilo aos domingos e já havia passado a hora dele, mas mesmo assim ele ainda ficou um bom tempo conversando com os que sobraram à mesa.
Saí para fumar, ficamos ali na frente da casa de minha mãezinha, acendi um cigarro e fiquei conversando com minha amiga, ficamos ali, rindo, falando coisas sobre a vida, poucas coisas. Ficamos ali por pouco tempo, estava cansado e pensei em ir para casa, mas decidi ficar um pouco mais, continuamos conversando por quase meia hora. Decidi me retirar de verdade dessa vez e comuniquei minha querida amiga e irmã, no entanto, ao olhar para cima e me despedir de sua sobrinha, ela comenta que estava cedo, para ficar um pouco mais. Perguntei porque deveria ficar se ela e minha sobrinha ficaram ali, trancadas no quarto, deixando as visitas sozinhas. Em seguida ela respondeu que desceria e saiu da janela.
Poucos segundos depois, estava ela a porta, esperando minha sobrinha e as duas sairam para conversarmos. Eu normalmente, se tivesse me interessado por algo além da amizade, ficaria acanhado de conversar com ela, mas como não houve um interesse sentimental, me senti bem a vontade e conversei tranquilamente com ela. Ao contrário dela, que parecia se sentir acuada com minha presença, preferi pensar que ela estava com vergonha, que ela era tímida demais para manter uma conversa tranquila. Perguntei algumas coisas sobre ela, comentei que conversa até que bem com sua irmã pelo orkut mas que com ela não tinha muito retorno. Ela comentou que era tímida mas que sempre respondeu meus recados, que nunca havia deixado de responder um deles. Concordei, disse que realmente ela nunca havia deixado de respondê-los, mas em seguida comentei que cheguei a pensar que ela não havia gostado de mim, mas ela logo retrucou que não era isso, apenas que ela era tímida mesmo.
Não me lembro de ter comentado ou questionado sobre ela ter namorado, provavelmente não perguntei porque já sabia que ela namorava, afinal de contas, o orkut e a tia dela já haviam me avisado. Comentei que achei ela bem diferente das fotos do orkut, que pessoalmente ela era mais bonita e parecia mais velha do que imaginei, ela deu um sorriso maravilhoso, me encantei muito com aquele sorriso desde a primeira vez. Ela fez algum comentário sobre seu cabelo não estar muito bonito, mas disse que havia gostado, o cabelo dela estava castanho claro com as pontas mais claras, quase um loiro, na realidade, o cabelo dela possuia três cores distintas. Mesmo assim achei o cabelo dela muito bacana e fui sincero ao dizer isso a ela. Novamente ela sorriu, ainda brinquei e comentei que ela sorria demais.
Depois foi a vez dela soltar um comentário, disse que me achava mais velho nas fotos que tinha no orkut, comentei que talvez fosse a barba em algumas delas, estava com um cavanhaque longo, quase no estilo de Dimebag Darrell, ex-guitarrista do Pantera, na realidade, eu tinha um quarto de barba comparado ao Dime. Comentei que a maioria das pessoas me achavam mais novo quando me viam, inclusive mais novo que a minha idade verdadeira, ela perguntou quantos anos eu tinha, respondi que vinte e nove, perguntei a idade dela e ela me disse que tinha apenas dezessete. Comentei que pela seriedade ela aparentava ser mais velha, uns dois anos mais velha, ela sorriu novamente.
Minha sobrinha entrou na conversa e resolvemos tirar algumas fotos, não me lembro de quem foi a iniciativa, mas acredito que tenha sido da minha linda sobrinha, ela é apaixonada por fotografia. Tirei algumas fotos, poucas fotos delas, a maioria minha própria sobrinha fez questão de tirar dela e de sua prima. Conversamos um pouco mais, sobre coisas em comum e a sobrinha de minha irmã foi embora. Antes de partir, ela comentou para um dia ligar para ela, ainda disse que passaria a semana na casa de minha irmã, sorri para ela e disse que talvez visitaria ela antes dela partir. Fui para minha casa, descansar, subi pensando no quanto a sobrinha de minha irmã era bacana, tinha um papo agradável, apesar de não falar muito, mas o pouco que conversamos foi o bastante para encontrar uma pessoa bacana dentro daquela menininha tímida. Não cheguei a pensar se conseguiria encontrá-la novamente, depois desse domingo não pensei em visitá-la, achei que seria um pouco estranho, visitar alguém que você mal conhece, que não tem uma grande amizade, me fez me sentir estranho de verdade, então deixei para lá e vivi minha semana como sempre fiz.
Próximo episódio - 04 A despedida.
Download da obra completa em formato pdf.

Nenhum comentário:

Postar um comentário