A doença chamada MSN

Live MessengerÉ incrível, mas quando vocês são novatos em uma empresa, a primeira coisa que fariam quando fossem largados em um computador seria acessar o MSN? Bem, acredito que se a resposta não fosse: "Eu acessaria o orkut...", acredito que muitos acessariam.
Por que não demonstrar um pouco de interesse no trabalho de início, conquistar a liberdade e depois acessar o maldito MSN? Isso parece uma doença, uma febre ou algo do gênero. A cada novo ser humano que passa a minha frente percebo mais e mais que as pessoas não conseguem mais se concentrar apenas no trabalho, elas tem uma necessidade inacreditável de se comunicarem com outras.
Claro, ninguém precisa viver no mundo sozinho, aliás, acredito que ninguém viva, mas é extremamente necessário se queimar no trampo e acessar o MSN para trocar uma ideia com alguém que está distante? Será que o assunto é tão especial e tão urgente que é preciso acessar o MSN no meio do expediente?
Eu acredito no seguinte, todas as urgências que são conversadas pelo MSN e muitas vezes pelo celular, são emergências que poderiam esperar o fim do dia. São raros os casos onde temos que abandonar o trabalho para resolver algo de última hora, com tanta urgência. E lhes asseguro, que 90% das ligações de celular e conversas de MSN poderiam esperar o fim do dia.

2 comentários:

  1. É tens razão, hoje eu percebi que perdi o vício (não msn pq nao uso muito isso), mas no caso de acessar meu blog a cada 10 minutos para ver as estatisticas, twitter e google reader... Tens razão, podem ser deixadas para depois (agora percebo quanto tempo eu perdia com isso, agora eu uso no maximo 3 horas por dia com isso (durante a semana) =D

    ResponderExcluir
  2. Ah, é muito punk, eu também não tinha muito controle sobre essas coisas, mas com o tempo aprendi a lidar com isso.
    Engraçado que no início de empresa, eu nem acessava a internet enquanto o povo ficava navegando e eles sempre diziam que eu podia acessar, mas acho que no fundo sabia que aquilo iria me consumir demais, tanto que viciei e foi duro aprender bons modos novamente.

    ResponderExcluir