A perseguição

Caça as bruxas...Me vejo ao lado de um homem desconhecido, caminhando na lateral de uma longa casa onde não conseguia nem mesmo ver seu fim. Em nossa frente vem caminhando um grupo de jovens, homens e mulheres vindo em nossa direção, como se fôssemos nos cruzar normalmente em uma rua qualquer.
De repente, uma dessas pessoas, não pude ver se era homem ou mulher, enfia uma longa e afiada faca na lateral esquerda do homem que caminhava ao meu lado.
Não fiquei para ver o que fariam àquele homem, simplesmente virei na direção contrária e comecei caminhar na direção contrária, no intuito de encontrar a saída daquele lugar misterioso. Ao chegar em algo que aparentava ser a entrada daquele local, me dirigi para o portão mas o mesmo estava fechado, trancado com correntes e cadeados, então pude ver que outro grupo se dirigia para o mesmo portão provindo do outro lado do terreno onde se encontrava a casa sem fim, eles me viram e começaram a seguir em minha direção.
Era um grupo estranho, pareciam dominados por alguma força ou hipnose, simplesmente caminhavam como se quisessem me alcançar para fazer algo a mim, dei alguns passos para trás na tentativa frustrada de voltar ao ponto inicial e conseguir encontrar outra saída. O grupo me lembrava muito pessoas de igreja, na realidade, aquele terreno onde me encontrava parecia uma igreja, nesse momento me lembrei do filme "As bruxas de Salem", me senti sendo perseguido pela inquisição.
Quando me virei para tentar caminhar novamente ao ponto inicial, me deparo com uma moça, nova, com cabelos negros em cachos. Ela segurava uma faca, mais parecia um facão, na tentativa frustrada de tentar me esfaquear, seu braço fora envolvido pelo meu e a faca apontada para o horizonte logo atrás de minhas costas. Em um movimento muito rápido e brusco, ela virou a lâmina para parte de trás do meu braço como se fosse decepá-lo. Quando desviei meu olhar para seu rosto, pude notar o quanto era bela e como olhava para mim, seus olhos negros me olhavam com ódio, com fúria, como se eu fosse todo o mal do universo. Não havia um sorriso sarcástico em seus rosto, apenas havia o ódio, seu olhar penetrante me causou um grande impacto, praticamente medo, não medo de morrer, medo apenas de ter um braço arrancado com aquela faca enorme...
Sonhado em segunda-feira, 12 de abril de 2010. Escrito ao som de "The memory remains" do Metallica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário