Será que ela não está enxergando? Ops, me enganei

Descubra o padrão...Quando iniciei meus estudos no colégio, sempre achei matemática algo meio chato, talvez porque achava as contas complexas demais ou fáceis demais. A parte mais simples, no início, foi aprender os cardinais, bem simples, pelo menos foi a parte que achei mais simples de aprender no colégio quando me iniciei na matemática. É um fundamento básico, necessário, que qualquer um tem acesso e aprendeu com praticamente toda a certeza no colégio. E se não aprendeu na escola, os pais com certeza ensinaram quando criança porque é super bacana ver seus filhos aprendendo a contar do 1 ao 10 antes de entrar para alguma escola. Quer dizer, pelo menos a contagem básica, do 1 ao 10, provavelmente todos sabem.
Legal, sei que não é fácil reconhecer alguns padrões adotados em diversos lugares, e também sei que não são todas as pessoas que tem a facilidade de notar esse tipo de coisa. Ou o negócio é muito óbvio ou muitos não notam padrões em nada na vida. Agora, acredito que para ninguém seja tão complexo entender os padrões de botões de um elevador, entender a sua disposição e conseguir encontrar o andar que você deseja. Alguém aqui teve que aprender depois de adulto qual o padrão que os elevadores seguem para poder selecionar o andar em que desejavam ir? Eu tenho quase, não tenho plena, mas tenho quase certeza de que todos aprenderam e todos sabem. Quer dizer, os tipos de painéis mudaram, foram avançado com o passar dos anos para seu melhor uso. Hoje notei que esse tipo de painel apresentado na foto deve ter um padrão totalmente diferente de todos os outros existentes no mundo, ou pelo menos no Brasil, porque notei uma certeza dificuldade de uma senhora fedorenta para encontrar o andar que ela desejava ir. Ela ficou olhando, olhando, até pensei que por causa da idade, apesar de não aparentar ser tão avançada, que ela tivesse alguma dificuldade visual. Ela comentou que gostaria de ir ao quinto andar, como já havia marcado o sétimo, só comentei que ficava abaixo do sétimo. Ela ficou olhando e tentou apertar o quarto, sem sucesso, eu respondi que ao lado, mesmo assim ela insistiu e apertou o quarto, depois notou que pressionou incorretamente o andar e acertou o quinto. Deu uma risadinha sem graça e comentou que esses "novos" elevadores eram muito complicados. Comentei de forma seca que era igual à todos, que respeitava a ordem dos número, que os andares são números sequenciais. Mas tudo tranquilamente, por incrível que pareça, respondi realmente de forma tranquila.
Depois fiquei pensando em como as pessoas não conseguem enxergar a divisão entre os botões do painel e como não enxergam ou não entendem, que a parte profunda em formato de círculo seria o local correto para enfiar a ponta de seu dedo para selecionar o andar desejado. Notei que a maioria das pessoas idosas tem essa dificuldade, provavelmente pela falta de evolução tecnológica, assim como muitas mães da idade da minha não sabem mexer em videocassete e muito menos em dvd player, então provavelmente a mudança dos painel dos elevadores para esse "novo" formato dificultou a vida delas porque não existe mais um botão enorme e redondo que fica bem visível separando um andar do outro. No entanto, quero salientar que, a maioria dos homens, sejam novos ou velhos, normalmente sabem onde é que devem enfiar o dedo. É muito mais difícil encontrar senhores que tem dificuldade de entender onde é que se enfia o dedo, no máximo, eles não enxergam mais e fica difícil efetuar a leitura dos números, mas quando encontram o andar que desejam, eles logo entendem onde se enfia o dedo para selecioná-lo. Quer dizer, muito provavelmente esse tipo de painel foi desenvolvido por um homem, que foi muito machista em sua criação. Ele ficou tentando imaginar uma disposição para os botões que evitasse um consumo desnecessário de painel, conseguiu reduzí-lo bastante, mas percebeu que não seria legal continuar com um botão mecânico e que um botão eletrônico com um simples sensor de calor, tornaria aquilo mais simples de ser tocado, evitando excesso de força, o que provavelmente era a maior causa de problemas no painel. Mesmo assim, ele notou que não seria de fácil identificação para qualquer ser humano comum e que deveria haver algo que indicasse onde é que deveríamos enfiar o dedo para selecionarmos o andar desejado. Nessa momento, ele lembrou das trepadas com sua mulher, principalmente no momento em que ela estava de quatro na cama e se lembrou que sempre tem vontade de enfiar o dedo no cu dela, por isso o botão foi desenvolvido da forma que existe hoje e qualquer homem já reconhece onde é que ele precisa enfiar o dedo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário