Há tanto tempo...

Diversos rostos.
Esperei por um bom tempo, talvez uma decisão sensata ou simplesmente medo de me envolver, até porque senti que você seria a pessoa perfeita em uma vida jamais almejada. Por que medo? Medo de me envolver com o desconhecido visto como a perfeição personificada na coisa mais bela deste mundo.
Ah, se você conhecesse o medo que tenho de me envolver, despertar sentimentos desproporcionais, totalmente incontroláveis a ponto de esquecer que tenho uma vida. Talvez, somente talvez, não tivesse me tocado daquela forma, talvez não teria se aproximado. Talvez a vida passasse e as coisas continuassem como sempre foram antes de você.
Beleza faz parte, mas o seu intelecto é muito mais surpreendente, não diminuindo o seu tamanho. Sim, porque sua beleza, aos meus olhos e talvez de outros, é desproporcional ao universo. Ah, talvez seja apenas uma devaneio, talvez um pequeno exagero, mas não creio em excessos a não ser quando trato de estresse.
Não, não foi um simples elogio, foram apenas pequenos comentários sobre uma pessoa que me encantou desde a primeira vez que tive a oportunidade de ter uma conversa agradável. Algo que há muito não sentia, senti naquele fim de dia, talvez em um final de semana, não me lembro ao certo. Mas realmente não existiu uma noite como aquela, em que uma simples conversa me fizesse gostar tanto de alguém. A compreensão, o jeito singelo e a simplicidade, quase como cúmplice de um crime perfeito, cada palavra encaixada de forma perfeita.
Ah, quem me dera conhecê-la em outrora, talvez as coisas fossem diferentes, não sei se melhor ou pior, mas seriam simplesmente diferentes. Talvez gostasse, talvez não, talvez afrontasse o medo, os demônios que habitam minha mente, talvez não. É, a vida é cheia de porquês, dúvidas, medos, mas quem é que não vive assim? Principalmente depois de passar pelas coisas mais variadas e dolorosas na vida. Cada um é único mas muitas coisas não mudam tanto de um ser para outro. Apesar das ótimas prosas, do perfeccionismo nas relações faladas que tivemos, ainda assim senti certo receio.
Engraçado, o receio em questão, não se tratava de uma simples rejeição, era algo muito maior que isso. Aquele medo de encontrar alguém tão perfeito que talvez me tornasse alguém obcecado ou necessitado. Ah, ensino todos que devemos tornar alguém parte de nossa vida e não nossa vida completa, mas às vezes isso é difícil de controlarmos. Sim, eu sei, falar é muito fácil, acho que por isso vivo falando diversas coisas.
Entre diversos rostos, sorrisos e olhares, não encontro o seu, muito menos algum parecido, mas ao final todos me fazem lembrar você. É engraçado, aliás, é muito engraçado pensar assim, mesmo que sem querer. Ainda bem que meus pés continuam no mesmo lugar desde a última vez, estão firmes, enraizados de uma maneira totalmente incomum. Depois de vários anos, acho que vesti uma armadura e não a tirei mais.
Escrito ao som de Extreme - Leave me alone.

2 comentários:

  1. Mais uma vez você conseguiu me deixar boquiaberta... Sua sensatez e a sua sensibilidade de colocar tudo em seu lugar é tão adorável que chega a ser espantoso.

    ResponderExcluir
  2. Fico realmente surpreso em como nos identificamos demais com os textos um do outro! rs rs rs
    Beijão

    ResponderExcluir