Pequenas coisas que nunca se apagam

Viajando no tempo.
Revirando o baú da vida, comecei a brincar com uma recordação, que poderia se transformar em milhares. Não sei porque me recordei disso, simplesmente, do nada, me veio a cabeça ontem, na hora em que deitei e tentei ver tv.
Já tentei apagar por diversas vezes essa lembrança, até porque não tenho muita história para contar sobre isso. Fora algo tão repentino e extremamente rápido, que não devia nem ao menos ter criado alguma raiz.
Talvez por querer mudar o jogo da vida, pelo menos o que tracei pra mim, talvez algo tenha mexido demais com meu subconsciente. Algo ficou realmente cravado, apesar de teoricamente não ter significado nada, uma pequena parte de minha mente insiste em recorrer à essas lembranças por alguma razão desconhecida.
A lembrança revivida somente em minha mente, sempre me recorda do toque, do sentir a pele. Nenhum detalhe mais constrangedor, para algumas pessoas, me vem a mente. Vivo de pequenas coisas, lembro dos pequenos detalhes, sinto falta daquele breve e memorável momento. Talvez seja apenas uma peça que meu subconsciente tenha pregado ou realmente seja um aviso mas não há o que fazer a essa altura do campeonato, a não ser esquecer e continuar respirando da mesma forma que respiro desde 2007.
Talvez seja apenas um aviso que as coisas podem acontecer e darem certo, talvez o contrário. Quem saberá? Ninguém, ninguém poderia ter uma certeza absoluta que as coisas funcionariam como deveriam. Ninguém seria capaz de antecipar os movimentos futuros e me dizer com toda certeza do mundo que aquilo poderia dar certo. Mas mesmo assim, por que não tentar?
Algumas coisas, não podemos arriscar, coisas que já temos absoluta certeza de que não nos fará bem. Mas as incógnitas é que nos matam aos poucos. É como ingerir um pouco de veneno a cada refeição. Sofrer sem motivo, sentir dor sem se machucar, talvez seja a pior "doença" que o ser humano possa sentir. A maldita curiosidade em saber o que teria acontecido, pelo menos, se tivesse persistido um pouco mais, se tivesse feito a ligação, se não tivesse falado certas coisas. Será que seria diferente?
Em meus mais tenros sonhos, tudo parece ser maravilhoso, tudo parecia ser um mar de rosas. Tudo acontecia como os melhores romances já escritos. Sonho. Realmente um sonho. Porque já sei que não seria bem assim, talvez, não tenho plena certeza. Mas não vejo um amor pintado, esculpido, somente em sonhos contemplava a distância, aquele belo sorriso que me entorpecia cada vez mais.
O porquê, nunca saberei, apenas vivo como antes, caminhando, pensando e escrevendo. A cada cigarro, diversas ideias e vontades, talvez algumas que nunca matarei. Alguns sonhos não vem ao acaso, são praticamente um aviso. Algumas coisas devem ser mantidas assim, apenas em sonhos.
Escrito ao som de Norah Jones - Don't know why.

Nenhum comentário:

Postar um comentário