Um último beijo.

Um último beijo...
Ah, como gostaria de ter um último beijo, algo que devia ser direito adquirido, claro que não em todos os casos. Mas por um breve momento, gostaria de sentir seus lábios novamente, talvez para sentir, por mais um mês, aquela enorme sensação de felicidade invadindo meu coração.
Pensei em milhões de palavras para descrever o que desejo e o que senti naquele instante, mas todas fugiram no instante em que dispus meus dedos para colocá-las neste post. Talvez fosse algum desejo passageiro, talvez não. Não tenho mais certeza do que quero ou do que sinto em relação à isso.  Sei que a melhor estratégia, pela vida conturbada que enfrento ultimamente, que seria melhor abster de todos os sentimentos por qualquer pessoa e pensar apenas em seguir em frente. Mas como já comentei, em alguns momentos sinto vontade de parar no tempo só para ver seu sorriso.
Ah, vida que me engana e em outrora me faz sentir que sigo pelo caminho certo. Me prega peças, me entorpece bem quando não posso me encontrar dessa maneira. Me faz dar a volta para chegar a um ponto que está exatamente a meu lado. Me faz desejar coisas impossíveis, talvez até mesmo sacrificantes. Opa, mas isso não é a vida, é simplesmente uma parte do cérebro que diz comandar meus sentimentos. Aliás, sentimentos esses, que há muito não se manifestam com tanta intensidade.
Algo totalmente incomum, algo que menosprezei e tentei manter afastado de mim o máximo possível. Talvez seja hora de deixar as coisas fluírem, talvez seja a hora de sair novamente da caverna e rever meus conceitos do que é realmente ser feliz.
Escrito ao som de Joss Stone - Right to be wrong.

2 comentários: