Dia dos pais.


Nos primeiros anos, sempre lembrava do dia dos pais, de uma forma dolorosa e cheia de saudades. Com o passar dos anos me esqueci do dia dos pais, só fico sabendo por conta das mídias ou pessoas que fazem questão de compartilhar e lembrar. Não fico mais triste como antigamente, passo o dia dos pais numa boa, antigamente, ficava muito sentido porque lembrava que tinha perdido meu pai.

É meio triste não ter pai mas também não é o fim do mundo. Sempre que paro para pensar como seria se meu velho ainda fosse vivo, fico feliz, porque tenho ótimas lembranças dele e acredito que ele estaria bem feliz pelos seus filhos, pelo menos é a ideia que tenho em mente.

O que teria comprado de presente pra ele? Sinceramente, provavelmente alguma coisa bem legal, porque diferente de minha mãe, acho que ele gostaria e ficaria muito feliz em ganhar algo. Não tenho muitas lembranças dos dias dos pais, lembro-me apenas de sempre entregar algum presente que minha mãe comprava e do almoço que sempre fazíamos juntos.

Aliás, até um certo tempo, almoçávamos em família, só depois de atingirmos uma certa idade é que perdemos esse lance. Em alguns momentos da vida sinto falta dessas coisas, em outros momentos fico triste por não ter aproveitado mais o tempo que tivemos.

Foi uma etapa da vida, a desmistificação daquela ideia infantil, que alguns tem, que nossos pais serão eternos. De certa forma são, afinal de contas, nunca apagaremos de nossas memórias, mesmo que fiquem guardadas a sete chaves no fundo do nossos subconscientes. E como já disse uma vez, em outros 2 ou 3 posts referentes ao meu velho, sou o que sou graças a ele, pelo menos a parte boa...

2 comentários:

  1. Engraçado como temos a impressão que nossos pais são eternos. Deveríamos não ter esse pensamento, mas essa forma de amor é tão forte, tão intenso que é impossível colocar a razão no meio.

    Como eu comentei uma vez quase ter perdido meu pai duas vezes, me fez criar um elo tão forte, que é inexplicável...

    Durante a doença do meu pai, passei um dia dos pais sem meu pai. Lembro da minha mãe indo visita-lo e eu em casa, cuidando das coisas.Em seu aniversário mesma coisa, mas nada foi pior do que a fase depressiva que meu cara teve.

    Engraçado, quando temos não damos o valor necessário. Quando não temos ou quase perdemos cai a ficha de que a coisa mais preciosa do mundo está ao seu lado.

    Como eu disse não imagino o que é perder um pai ou uma mãe, mas ver meu pai quase morto. Me fez ver que ele precisa de mim, mas não mais do que preciso dele.

    Depois da quimioterapia, do tratamento completo [mesmo com algumas sequelas], passei a ficar mais tempo do lado dele. Dizer "eu te amo", uma coisa que não era acostumada, beijar, abraçar e até mesmo assistir os chatos jogos de futebol. Enfim, acabamos nos tornando melhores amigos.

    Não sou muito de falar sobre os anos da doença do meu pai, isso ainda me machuca, o medo de perde-lo daquela forma não cicatrizou direito, mas dos pequenos textos em que falou do seu pai, as lembranças daquela época voltam.

    Você conseguiu me fazer chorar, coisa que pouca gente conseguiu. Você é mesmo o meu escritor favorito.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. É realmente cruel essa visão que temos na infância que nossos pais nunca morrerão, que sempre estarão lá para nos ajudar. Infelizmente, a vida não é assim mas temos que aproveitar ao máximo esse curto espaço de tempo.

    Perdi meu pai quando tinha 18 anos, a melhor época da vida, onde poderíamos fazer diversas coisas juntos, onde precisava de diversos conselhos e ele não estava ali. Faz parte da vida. rs rs rs

    Aprendi muitas coisas com meu velho, muitos dos conceitos que carrego, ser como sou no trabalho ou com a família foi tudo a graças a ele. Se sou responsável, tenho a cabeça no lugar e não espero nada cair do céu foi porque ele me ensinou que devemos correr atrás do que queremos ou precisamos.

    Sou realmente muito agradecido a ele, apesar de não ter tido o tempo necessário para aprender isso e agradecê-lo. Poderia ter aproveitado mais o tempo que tivemos mas...

    Eu fico feliz que o seu tenha superado a doença e espero que ele viva por muitos e muitos anos, para vê-la crescer forte e mostrar pra que veio ao mundo. Espero que curta cada segundo ao lado dele, vale realmente muito a pena.

    Poxa vida, a intenção não era fazer as pessoas chorarem. rs rs rs

    Beijão.

    ResponderExcluir