Ato III - O café.

Café.

Fomos assistir outro filme, dessa vez você pediu para eu escolher, te avisei que não sou bom nisso porque tenho um gosto muito peculiar. Mesmo assim você insistiu e acabei escolhendo um filme de ação que provavelmente você não gostará. Entramos na sala, dessa vez sem pipoca, refrigerante ou balas, mas só porque você não quis.

Você estava sorridente, muito feliz por ter ganhado uma promoção que tanto almejava, fez questão de comentar diversas vezes a história de como chegou lá. Fiquei feliz por você e demonstrei com um enorme sorriso, afinal de contas, sempre fico feliz por suas conquistas. Enquanto o filme não começava, você contou como foi seu dia, a noite anterior, o quanto sentiu minha falta, o que me deixou muito surpreso.

O filme começou, você bocejou em diversos momentos, como imaginei você não gostou muito do filme. Deitou no meu peito e começou a brincar em minha barriga. Quando percebi estávamos em um beijo caloroso no meio do cinema, a nossa sorte é que a sala não estava cheia, não havia ninguém ao nosso lado, o que te deixou mais desinibida. Te empurrei levemente para você encostar no seu banco, aumentei o calor em nosso beijo e quando menos percebi estava acariciando seu seio. Aliás, quem é que fala seio hoje em dia?

Voltamos a assistir o filme e você passou a acariciar minha coxa, retribuí. Com o tempo fui intensificando nossas carícias e passei a mão por debaixo de sua saia, na tentativa de alcançar sua calcinha, mas como a posição estava desfavorável, achei que não quisesse que eu ultrapasse os limites. Te abracei e te puxei para perto do meu peito, te dei um selinho e voltei a assistir o filme. Você passou a mão por cima do meu falo; podia ter escrito pau, pênis mas achei menos pesado escrever falo; acariciou levemente como quem estivesse com medo de machucar. Me surpreendi, tudo bem, nem tanto, mas fiquei surpreso. Te empurrei novamente para sua poltrona e invadi sua saia com minha mão, te acariciei por um bom tempo até notar que um outro casal parecia estar reparando nos nossos movimentos.

O filme terminou e fomos jantar, você quis comida japonesa, mas não queria sentar para comer, queria levar para casa. Insisti para sentarmos e comer, você dizia que estava mais interessada em terminar o que começamos. Disse para você ter calma e você fez uma careta. Eu ri.

Saímos e fomos em direção a sua casa. Você tentou brincar dentro do carro mas achou a posição meio desconfortável. Isso me instigou ainda mais e você parece ter ficado com mais vontade ainda. Depois de muito trânsito e chuva, finalmente chegamos até sua casa. Na porta, você ansiosa e eu só disse que agora aceitava aquele café.

5 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Eu tinha certeza que este ato ficaria melhor. E ficou. rs
    Não quero nem ver como será o próximo. Mentira quero sim hehe.
    Se fosse um livro já estava na última página ;)

    ResponderExcluir
  3. Eu não achei tão legal, gostei mais do II do que deste. rs rs rs

    Na realidade, esse pequeno conto termina neste ato. =( Mas calma, semana que vem teremos uma nova história, talvez não dividida em várias partes. rs

    Beijão

    ResponderExcluir
  4. Como assim acabou? Ahhh não gostei, já estava acostumada com a ideia de continuação para este conto. rsrs
    Ok que venha o próximo, estou no aguardo ;)
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Foi uma pequena experiência, dividi para instigar, mas desde o início a ideia era de serem apenas três partes mesmo. rs

    Beijão

    ResponderExcluir