Letargia.

Laranja mecânica.

Tenho medo do mundo lá fora, da imensidão, de tudo que pode ocorrer sem o mínimo de controle. Já não sei mais se eu domino a mente ou se ela me domina. Não sei mais o que é certo e o que é errado; talvez tenha perdido mais conceitos do que posso imaginar. Ou talvez nunca tenha encontrado esses tais conceitos que deveria saber, o que mais pode dar errado?

Já não sou mais o mesmo, estou no meio de um tiroteio e sem o dom da visão. Talvez já tenha levado um tiro, esteja sangrando apenas esperando a morte ou simplesmente esteja em meio a uma tempestade que um dia acabará. Talvez essa tempestade esteja durando mais que o esperado, talvez ela nunca tenha fim a não ser que eu resolva dar um fim. Quem sabe?

Um turbilhão de sentimentos e emoções tomam conta de minha mente, já não consigo colocar nada no lugar, apenas tenho diversos devaneios que parecem preceder um surto. Dessa vez tudo é diferente, tudo parece novo, a ira e a raiva que normalmente tomariam conta da situação e me colocariam nos trilhos novamente não vem me ajudar. Isso me fez lembrar diversas vezes um dos livros de Dexter, onde o passageiro sombrio resolve abandoná-lo e deixá-lo por conta própria.

Como é possível uma mente mudar tanto em tão pouco tempo? Como é possível ficar tão confuso a ponto de pensar em milhares planos mirabolantes para sair dessa situação? Se ainda fossem planos sensatos, que tivessem uma estrutura muito firme, talvez valeria a pena arriscar todas essas mudanças.

Já não sei que direção seguir; não sei se deixo o vento me levar para alguma direção completamente oposta ao que eu normalmente tomaria ou se tento decidir de alguma forma se vou para direita ou para esquerda. O problema é que não existem apenas duas direções, se fossem apenas duas, seria simples de tomar uma decisão. Estou tentando manter os pés no chão, mas às vezes acho que está na hora de chutar a porta e ver onde podemos parar.

5 comentários:

  1. Quando eu crescer quero escrever do jeitinho que você escreve! HAHAHAHA

    Talvez seja mesmo a hora de chutar a porta ou como se diz, o pau da barraca.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Eu simplesmente adorei cada linha escrita. Como disse inúmeras vezes, você escreve muito bem.
    Antes de começar a ler fiquei observando a imagem por um tempo, casou com o conto.
    Super gostei
    Um beijo ;)

    ResponderExcluir
  3. Juliana,

    Gostaria de escrever bem, quem sabe um dia eu tome vergonha na cara e resolva aprender. rs rs rs

    Talvez seja hora, talvez não seja uma hora tão boa, mas... Veremos. rs rs rs

    Beijão

    ResponderExcluir
  4. Roberta,

    Ainda acho que preciso melhorar muito a minha escrita, principalmente em questões gramaticais, apesar de que gosto muito da liberdade. rs

    Eu achei que combinaria perfeitamente com o texto, foi escolhido a dedo. rs rs rs

    Beijão

    ResponderExcluir
  5. Fiquei horas para me lembrar que este é o Alex do filme Laranja Mecânica. rs :)

    ResponderExcluir