Te encontrarei onde for.

Morte.

O triste fim, talvez não tão triste, tudo depende do ponto de vista. A grande questão é que se você está no desespero, já não sabe o que fazer ou não tem o que fazer, talvez essa seja uma saída. Faltam apenas alguns minutos, queria tanto te dizer várias palavras, mas acho que não terei tempo para isso, apenas saiba que te amo muito e que não faria nada diferente de tudo que aconteceu entre nós. O sangue se esvai e vou ficando cada vez mais entorpecido, sinto uma certa sonolência ou será que estou apenas apagando para sempre?

Segunda-feira, hoje fazemos nove anos juntos, contando desde o início do namoro, noivado e casamento, são nove anos da mais pura felicidade e cumplicidade; acredito que não exista um casal mais feliz que nós. Te olho enquanto faz o café, você sorri com tanta felicidade que é impossível quantificar. Vivemos em um apartamento pequeno, mas extremamente aconchegante, extremamente luxuoso para tudo aquilo que almejamos durante todos esses anos. Temos um carro não tão luxuoso, uma moto custom para viajar e curtir um vento no rosto, um cachorro e um gato que convivem excelentemente bem; o que mais é necessário para ser feliz?

Ainda não temos filhos, começamos a namorar muito, tinha apenas 16 anos, ela um a menos, hoje ainda pensamos que está muito cedo para termos filhos, mas temos planos para daqui uns três ou quatro anos ter uma menininha linda. Gostamos muito de viajar e estamos planejando uma viagem agora em nossas férias. Pretendemos ficar 15 dias largados em alguma praia deserta, estamos vendo diversas opções, mas ainda não decidimos qual será. Mas para hoje planejamos uma rápida descida para praia para curtir o sol que está fritando meus miolos. Vamos tomar o café, deixar o cachorro e o gato com sua mãe e partiremos de moto para curtir uma ótima tarde.

Você está tão feliz por nossa pequena comemoração, vamos encontrar alguns amigos que moram lá, você fazendo diversos planos para essa tarde e não para de pensar nos camarões que irá devorar assim que chegarmos. Deixamos os bichos na sua mãe, pegamos uma pequena mala com roupas suficientes para passar apenas dois dias, queremos voltar para preparar nossa viagem de 15 dias. Você me deu um beijo e partimos para a praia.

A estrada estava tranquila, praticamente sem trânsito, afinal de contas, quem é que desce para praia em plena segunda-feira? Você me abraçava de uma forma tão carinhosa e em alguns momentos soltava os braços e os levantava para sentir o vento. Há muito que não te via tão feliz, tão empolgada com as férias. Se bem que depois de tantos anos sem tirarmos férias, essa deve ser a razão de tamanha felicidade. Em um breve momento, olhei para o retrovisor e vi um carro vindo muito rapidamente na curva, senti que talvez o carro não fosse conseguir fazer a curva e não deu outra, ele rodou e rodou e rodou... Quando abri os olhos novamente, estava deitado no chão, senti algo quente em minhas mão e notei que havia um corte e muito sangue nas mãos. Procurei por você desesperado e te vi caída no acostamento. Você estava inconsciente, me levantei e fui praticamente me arrastando até você por conta do pé dolorido. Ajoelhei a seu lado e vi que ainda respirava, tentei te acordar mas foi em vão. De repente, minha vista começou a escurecer e apaguei novamente.

Quando acordei, notei que estávamos no hospital, eu estava na enfermaria porque não havia nada de muito grave comigo. Perguntei por você e disseram que estava em cirurgia, não explicaram o que houve de fato. Tentei levantar mas me seguraram e pediram que eu ficasse um pouco mais em repouso. Obedeci, complemente contra minha vontade, mas pensei que deveria estar bem para poder ajudar você. No final da tarde me deram alta e fui tentar saber de você. Me informaram que ainda estava em cirurgia e que mais tarde me procurariam. Foram mais duas horas esperando uma notícia sua, mas finalmente os médicos me informaram que seu estado era grave e que precisariam de um transplante de coração, não consegui ouvir mais detalhes, apenas fiquei desesperado imaginando em como conseguiria um coração pra você.

Fiz todos os contatos que pude, tentei diversas pessoas que talvez pudessem ajudar te passando na frente da fila de doadores de órgão, mas foi em vão. Entrei em choque, não podia imaginar a vida sem você, não poderia te perder por nada nessa vida. O seu estado se agravava a cada minuto corrido, tentei pedir para os médicos que dessem o meu coração, mas isso não era possível. Sai do hospital, desesperado, chorando, pensando em me matar para você poder receber meu coração, só não sabia como fazê-lo. Porque, mesmo que eu me matasse e fosse possível doar meu coração para você, ainda teria o lance da fila de transplantes. Liguei para um amigo que conhecia alguém que poderia ajudar, mas infelizmente ele disse que não poderia fazer nada neste caso.

Liguei para sua mãe e expliquei a situação, ela entrou em choque primeiro, mas depois comentou que conhecia alguém que poderia ajudar. Ela explicou a situação para seu amigo, ele disse que poderia passar você na frente, mas que no momento não havia nenhum coração para resolver nosso caso. Desesperado, voltei para nosso pequeno apartamento, peguei uma navalha e sentei na banheira...

2 comentários:

  1. Nossa nem sei o que comentar. rs

    ResponderExcluir
  2. Ah, não fui muito original e não teve um fim tão bacana quanto eu gostaria. =(

    ResponderExcluir