Verdade ou mentira?

Amizade.

Eu não namoraria você porque não quero te decepcionar com todas minhas manias chatas. Não ficaria com você porque não gostaria que conhecesse meu verdadeiro eu, aquele que não gosta de metade das coisas do mundo e que tem manias tão insuportáveis que nem mesmo os familiares aguentam. Não te beijaria porque não gostaria de te decepcionar com o gosto horrível da nicotina misturada ao alcatrão.

Ah, quem dera pudesse simplesmente não me entregar a esse sentimento que consome minh'alma, que aos poucos me faz perder a vontade de viver... Tudo é superável na vida, como sempre expliquei ao mundo, mas há certos sentimentos que, às vezes, nos afrontam de maneira avassaladora onde nem mesmo a razão é capaz de deter.

Gostaria de não ter te conhecido, não, não é bem isso. Gostaria apenas de não ter criado certas esperanças e transformado um lindo sentimento de amizade em algo mais. Se você tem parte da culpa? Não, talvez não. Desde o início nunca me deu falsas esperanças, aliás, diga-se de passagem, você nunca me nada. Nem um sinal de interesse, nem o contrário, apenas continuou me carregando ao seu lado como aquele bom e velho amigo. Claro, existe o detalhe que também permiti que isso ocorresse, seria burrice de minha parte?

Por que nos apaixonados pela "melhor amiga"? Afinal de contas, já não sabíamos que era apenas uma grande amiga? Por que nosso cérebro confunde as coisas? Por que estou falando de cérebro? Por que é nele onde o "amor" ou "paixão" ocorrem, o coração serve apenas para circular o seu sangue. Mas voltando, por que raios fui me apaixonar por você? Por que me permiti isso? Burrice.

Não temos muito contato, não temos nos falado muito, aliás, nas raras ocasiões que conversamos não passamos de cinco minutos. Oh céus, oh vida, por quê? Por que me abandonaste? Por que me desamparar neste momento tão cruel da vida? Não posso te culpar de nada, afinal de contas, você nem sabe ao menos o que anda ocorrendo, o que se passa nessa cabecinha cheia de vento.

Não me declararei nunca mais, não direi mais nenhuma palavra relacionada ao que sinto por você. Pelo simples fato de saber que não serei correspondido e que poderei estragar tudo que há de maravilhoso entre nós. Burrice. Talvez seja, talvez não...

[História fictícia inspirada no último cigarro... Mentira! Foi por causa de uma fotografia no Facebook de alguém muito especial por quem eu nutro uma paixão fictícia. Não, não é a futura!]

2 comentários:

  1. Me vi em alguns pedaços dos textos, porque me f*** com esse negócio de "amor" e me ferrava mais ainda porque não final não era confusão, era sentimento dos dois lados, mas como uma boa mistura de baiana, com mineiro, com paulista fiquei desconfiada e resolvi nem tentar. Lembro de ouvir essa frase "não gosta de metade das coisas do mundo" toda minha vida e admito odeio muita coisa e amo muita pouca. HAHAHAHA

    Achei incrível, acho que sua criatividade está cada vez melhor e sua escrita me encanta cada vez mais inacreditável. E mais uma vez despertou uma curiosidade insana em mim, que espero um dia estudar sua mente e descobrir tudo o que passa pela sua mente quando escreve.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Quem nunca se fodeu no amor que atire a primeira pedra. rs É realmente complicado gostar, se apaixonar ou amar alguém, são muitas variáveis e gênios controversos que me cansam apenas em pensar em começar um relacionamento.

    Ah, não acredito que minha criatividade tenha melhorado, ainda falta muito para atingir o patamar que desejo. Se bem que, sempre acabaremos escrevendo sobre algo vivido ou a vivência de alguém, é inevitável. Tento fugir do marasmo mas existe algo que não tenha acontecido na vida? rs

    Eu também gostaria de desvendar os mistérios de minha mente perturbada, entender porque não suporto diversas coisas e nunca acerto em relacionamentos. Quem sabe um dia...

    Beijão

    ResponderExcluir