Loop infinito.

Infinito.
Resolvi caçar um tweet, sobre um estagiário que possivelmente escreveu um porquê separado onde não deveria e encontrei coisas interessantes. Ontem quando postei sobre o gosto do café, não havia lembrado que há um bom tempo estou dessa maneira, porque postei a mesma coisa em um tweet há 2 semanas atrás. Inclusive, nesse tweet, nem mesmo o cigarro me satisfazia.
Fiz comentários que me sentia em um nível avançado do sonho, como em "Inception", porque o tempo custou a passar naquela tarde. A semana mais longa e ao mesmo tempo mais curta de todos os meses desse ano. Foi realmente estranho porque era uma semana de apenas 3 dias e há muito não ficava ansioso para que a semana acabasse. Na realidade, desde que comecei a trabalhar com que amo, nunca me senti dessa maneira. Mesmo com as crises, com os "murros em ponta de faca", não me sentia tão infeliz a ponto de perder o tesão de tudo.
Em alguns momentos do dia, penso em voltar a terapia, mas infelizmente isso não será possível agora, quem sabe em um futuro próximo. Diversas vezes já comentei em vlogs também que me sinto assim, sem vontade de fazer nada, talvez seja realmente a falta de mudanças e a consciência clamando por evolução ou revolução. Apesar da decisão ter sido tomada e declarada com toda as palavras abertamente, ainda não me sinto satisfeito porque não fiz mudança alguma, o fato é que isso poderia ter contentado um pouco meu ser que há tanto busca novos horizontes.
Me sinto empacado no tempo, como se realmente estivesse num "loop infinito", onde começo a caminhar e quando percebo estou passando pelo mesmo lugar novamente. Ao mesmo tempo, quando penso nas mudanças, fico um tanto quanto receoso, com um certo medo, não da mudança em si, mas de não dar certo do jeito que imagino. Coisa de gente metódica, decide sofrer antes das coisas acontecerem. Isso é bom de um lado mas péssimo de outro, a ansiedade acaba te consumindo como um punhado de areia solta ao vento.
Nem mesmo um dos poucos prazeres que tinha é tão prazeroso, talvez as ideias que passam como um raio em minha mente não me permita aproveitar esses momentos em que paro para me alegrar. É engraçado, porque sempre prezei pela "infelicidade" e com isso nunca quis dizer que era 100% infeliz. Muitos me condenaram quando fiz esse comentário no vlog, muitos não compreenderam a minha tal infelicidade. Essa coisa de infelicidade, que quero realmente dizer, é o fato de não me envolver com ninguém, porque isso sempre me dispersa, me faz pensar demais em outras coisas. Esse é mais um aspecto de "House" em que me identifico muito, principalmente quando ele comenta de forma ruim sobre isso.
Estou tentando me concentrar nas possíveis mudanças que farei em minha mas mesmo assim não fico tão animado a ponto de sorrir. Não vivo mais cada dia como vivia antes, não que queira viver como se fosse o último dia, mas gostaria de ter mais ânimo para enfrentá-lo como sempre fiz. Nunca fiquei tão insatisfeito como estou nesses dias, talvez tenha a ver com a mudança, não por não ter acontecido, mas porque acontecerá. E novamente podemos citar o medo, novamente estamos no início e novamente nada muda.
Ao som de "The unnamed feeling" do Metallica.

4 comentários:

  1. Passando...

    Medo, é o nosso maior inimigo!

    ResponderExcluir
  2. É que esse medo é meio diferente do medo propriamente dito. rs rs rs

    ResponderExcluir
  3. Cara eu preciso reeler o que você postou ,mas você não é o unico que não se envolve , eu tenho 34 anos e confesso que qualuqre garoto de 15 tem mais experiência do que eu , a palavra amor e o meu conceito de sentimento e afeto é totalmente diferente do que presenciamos hojé em dia , as vezes sinto que isto é a fonte de todo o meu insucesso na vida,em outros momentos tenho orgulho de não ser uma pessoa voluvel , não entra na minha cabeça como as pessoas conseguem entrar e sair de relacionamentos como entramos e saimos do metrô , acho que nunca conseguirei ser assim ,mesmo porque nos fundo eu não quero. Bom seja por karma ,seja por medo, orgulho, desilusões .... , eu continuo caminhando solitariamente contando com minha proteção espiritual ,e cheguei a conclusão que jamais atribuirei minha felicidade ou tristeza a uma mulher , niguém tem a responsabilidade de me fazer feliz , acho que cada um responde por si próprio e cada um possui internamente os mecanismos para sua própria evolução, sou uma ilusão que as vezes acredita até em almas gemeas , bom vamso ver se a vida me prova o contrario, paz e luz a todos.....

    ResponderExcluir
  4. É realmente amedrontador perceber como a "molecada" brinca com sentimentos e relacionamentos. Trocar de namorada(o) é como trocar a peça íntima no dia a dia. Ainda tenho esperanças de que as coisas voltem a ser menos superficiais.
    Valeu pelo comentário!

    ResponderExcluir