Um café e um cigarro.

Um café e um cigarro.

Abro o bloco de notas, pego um café e acendo um cigarro. Mil ideias borbulham em minha mente, diversos temas afloram do nada mas não consigo organizá-las. Quando percebo estou pensando em você, sendo consumido por aquilo que não deveria nem ao menos pensar. Ah, se estivesse ao meu lado hoje, será que ainda seria assim? Será que pensaria tanto em você? Tenho minhas dúvidas mas não quero comprovar nada.

Começo alguns rabiscos, uma pequena frase e sou bloqueado por seu sorriso. Essa lembrança que nunca se apaga de minha mente e hoje me consome em diversos momentos. Talvez devesse procurar um novo sorriso, um novo olhar para me atormentar. Foco novamente na ponta da caneta, apenas bocejo, tomo um gole de café e dou um trago. Ao soltar a fumaça me lembro de suas reclamações por conta dela. É, você sempre ficou com irritação por conta dela e mesmo assim não consegui parar de fumar.

Dou outro gole no café e escrevo mais uma frase, paro novamente, dessa vez lembro do cheiro de seus sedosos cabelos, tento pensar em outra coisa mas isso me consome até a alma. Levanto, troco a xícara de café por um copo de uísque, meu bom e velho amigo, talvez isso me faça focar em coisas mais importantes, quem estou tentando enganar?

Dou um belo gole e lembro de quando bebíamos juntos, eu com meu uísque e você sempre com seu vinho. Diversas risadas, troca de olhares e carinhoso trocados em diversos momentos marcantes. É, acho que o uísque não foi uma boa troca. Continuo bebendo e acendo outro cigarro.

Novamente volto para a folha, praticamente em branco, escrevo mais uma frase e dou outro gole na bebida. A fumaça do cigarro me incomoda e pego-o para deixá-lo na boca. Entre um trago e outros, diversos pensamentos fluem mas todos são lembranças de você.

Desisto, arranco a folha e fecho meu bloco de notas. Jogo a pequena folha fora e resolvo deitar. O sono custa a chegar e outro a porta se abrir, é você. Finjo que durmo enquanto percebo que está pegando algumas coisas suas. Entre o bater de uma porta e outra, percebo que está mexendo na lixeira... Finalmente pego no sono.

De manhã, assim que me levanto, sigo para a cozinha para pegar um uísque, no meio do caminho me deparo com minha pequena folha amassada em cima da mesa:

"Sinto muito sua falta.
Você era tudo pra mim e não soube dar valor.
Eu te amo."

"Eu te amo mais que tudo nessa vida mas não consigo viver ao lado de alguém como se estivesse sozinha..."

2 comentários: