Para sempre em minha mente.

Suicídio.

Enquanto ouço uma música suave e dolorosa, no fundo do meu subconsciente ouço seu riso, bem leve, sutil, quase imperceptível. Olho para o lado e não te vejo, levanto e vou até a janela tentar encontrar algum vestígio de sua presença, tudo em vão. Vou até o banheiro, lavar o rosto por conta do calor que dominou meu corpo, jogo um pouco da água que sai da torneira e está muito gelada. Num rápido relance ao espelho, vejo seu semblante, olho novamente e você não está lá. Olho para trás com alguma esperança, mas não te encontro. Será que estou ficando louco?

Sua sombra começa a me perseguir onde quer que eu vá. No café onde tínhamos ótimas conversas, no parque onde corríamos e até mesmo no trabalho, onde você nunca me visitou. Mas é de forma estranha, não parece que você está nos lugares, parece que está comigo, em minha mente, como uma eterna voz sombria que me acompanha.

Não tivemos tempo para despedidas, você simplesmente resolveu se ausentar do mundo, talvez poupar as pessoas de sua dor, não sei. Mas ficou impregnada em minha mente, como o "Passageiro das trevas" de Dexter, nosso seriado favorito, mas você não me incita a fazer nada, apenas não me deixa esquecer da sua doce existência.

Será que seu espírito não consegue descansar em paz porque deixou algo inacabado? Sabe que nunca acreditei nessas coisas, mas nesses últimos dias tenho pensado muito nisso. Não há outra razão para ainda ouvir como se você estivesse presente em minha vida. Será que sua mãe também te ouve? Será que seu pai também acredita estar ficando maluco como eu?

Não tenho medo, apenas não sei por que comigo, por que ficou impregnada em minha mente, por que a transformou em seu novo lar? Ficou aqui para continuar a cuidar de mim? Apenas me dar seus bons conselhos para que eu não cometa nenhuma loucura? Só posso te dizer uma coisa, esteja onde estiver, no céu ou no inferno, saiba que ainda te amo muito.

2 comentários:

  1. De onde vem tanta inspiração para escrever?
    Adorei.

    ResponderExcluir
  2. Às vezes, eu acho que uso drogas. rs rs rs Eu acho que pelo fato não ter imaginação e odiar escrever quando era criança, isso acabou "aflorando" meio tarde. rs rs rs Alguns diriam que por entender muito as mulheres, acabo sendo como elas, não consigo parar de "falar". rs rs rs

    ResponderExcluir