Christina Perri - A Thousand Years.




Não estou inspirado para escrever, não tenho palavras para transmitir emoção neste momento. Não que esteja triste ou algo do gênero, simplesmente não consigo pensar em uma história, não consegui pensar em algo para animar a vida de vocês ou pelo menos fingir que alegro alguém.

Oh céus, o que está havendo? Fui tomado por um sentimento inexplicável que levou todos meus neurônios para o limbo ou para a sarjeta, cada um pode interpretar da maneira como quiser, como é feito com todo texto. Gostaria de poder sentir um pouco de amor, na realidade, sinto amor a todo texto que escrevo nessa categoria que é uma das mais acompanhadas neste blog. Talvez seja o único momento da vida em que consigo demonstrar um pouco de amor por alguém que é irreal, porque se fosse de verdade, talvez as histórias fossem bem diferentes.

Amar o irreal, o ideal, a consequência que nunca ocorrerá é algo grandioso, nos faz pensar de um dia encontraremos alguém que realmente nos complete, que realmente nos traga felicidade, e melhor, nos faça compreender o que é essa tal felicidade. Não sei o que pensam a cada texto que lanço no "Na sua estante", mas tirando o início, todos eles são fictícios, mas com uma certa base na realidade. Talvez uma realidade que gostaria de ter na vida, talvez uma realidade que seja apenas um sonho.

Cada beijo, cada briga, cada saudade foi sentida ao extremo para conseguir traduzir em palavras. Preciso de sentimentos, mesmo que alheios, para conseguir produzir esses pequenos textos, alguns inacabados, outros que deixam uma brecha para uma continuação que nunca existirá. Gosto dos textos que deixam aquele sentimento que existirá um segundo para concluí-lo e mesmo assim não faço uma continuação. Porque a vida amorosa é assim, uma hora se está com alguém e em outra...

Talvez um dia minhas palavras morram da mesma forma que esse tal de amor morreu, pelo menos pra mim. Talvez eu reflita um pouco sobre a vida, ou simplesmente encontre alguém e mude de ideia, mas acho um tanto quanto improvável. Talvez VOCÊ me faça rever conceitos e mudar de ideia em relação ao amor. Mas, aliás, o que é o amor?

Nenhum comentário:

Postar um comentário