Ensinamentos.

Ensinamentos.

Um dia meu pai ensinou que eu deveria estudar, aproveitar a oportunidade e aprender o máximo que pudesse. Afinal de contas, ele teve uma vida mais difícil que a minha e sempre se esforçou para que meus irmãos e eu pudéssemos ter acesso aos estudos. Não direi que me esforcei ao máximo, mas aproveitei consideravelmente tudo que me foi ensinado.

Passaram-se diversos anos e ele sempre batendo na mesma tecla, sempre nos encaminhando para os estudos. O mínimo que poderíamos fazer era estudar e muito, afinal de contas, quem não precisa trabalhar, estudar e cumprir com outras obrigações, deve sempre passar com 10 nos estudos.

Alguns anos depois, quando chega aquela fase em que começamos a nos interessar pelo sexo oposto, meu pai me deu outro conselho. Ele comentou que se alguém quisesse transar comigo, que eu deveria me proteger e usar camisinha. Desde esse dia, esse foi o único conselho sexual que fora me dado. Não sei se foi confiança demais, se ele tinha plena certeza que eu havia entendido aquele conselho, ou se ele imaginou que talvez eu nunca faria isso na vida.

Namorei com uma garota nessa época, depois de correr por bons anos atrás dela, tivemos um romance de quase três anos. Acho que foi o relacionamento mais longo que tive na vida. Nesse meio tempo meu pai chegou e comentou que fumar não era legal, que quem fuma tem maior facilidade para adquirir doenças respiratórias. Ele estava gripado há muito tempo e não tinha ido ver ainda o que poderia ser aquilo.

Mais alguns meses se passaram e ele decidiu ir ao médico, começou todo um suspense até ele chegar e contar que estava com câncer. Quando ele voltou de sua consulta, haviam constatado que ele tinha um tumor no pulmão, agora ele aguardava os exames dizerem se era benigno ou maligno.

Nesse tempo em que ele estava doente, ele ficou muito tempo deitado no sofá da sala, mal tinha forças para subir as escadas. O tratamento de radioterapia enfraqueceu ele demais, foi algo realmente cruel. Eu via aquela cena e nunca sabia o que fazer, não sabia se ficava ali e fazia companhia pra ele ou se continuava a levar a vida como sempre fiz.

Lembro de uma vez que minha namorada da época ligou e eu não estava em casa. Quando cheguei, minha comentou que ela havia ligado e comentei que ligaria depois, nunca esquecerei meu pai de olhos fechados comentando: "Liga agora, não deixa a menina esperando.", aquilo foi realmente estranho pra mim.

Vi meu pai delirar por conta de medicação no hospital, ele olhando para o nada, ele falando que viu deus, entre outras coisas. O câncer foi consumindo seu corpo dia após dia, mas foi algo tão rápido que não sabíamos o que fazer. Ficamos apenas olhando ele morrer aos poucos, porque de acordo com os médicos não era possível fazer muita coisa, ele precisava se fortalecer para poder fazer a cirurgia. Mas, infelizmente, ele piorava a cada dia porque não tinha vontade de comer. Cada refeição parecia um enorme sacrifício e eu não conseguia ficar vendo aquilo.

Passaram-se dias e noites, ele só piorava, até mesmo oração de um conhecido evangélico ele aceitou, logo ele que nunca foi alguém muito religioso apesar de acreditar em deus. Quase não conversamos nesse período e me arrependo muito disso, mas o que poderia ser dito com ele naquele estado? Eu, sinceramente, nem sabia o que conversar e eu já não era tão criança nessa época, mas não sabia mesmo o que conversar. Até hoje tento lembrar da minha última conversa com ele, mas não consigo.

Uma noite, fui até a casa de uma amiga que estava comemorando seu aniversário. Não cheguei muito tarde, acho que eram umas 2h e pouco da manhã. Entrei com todo cuidado do mundo para não acordar meus pais e antes de subir pude ouvir meu pai gemendo, parecia um gemido de dor. Fui deitar, como sempre não sabia o que fazer e por volta das 4h da manhã minha mãe me acordou e comentou que meu pai não estava respirando...

4 comentários:

  1. Você abordou o assunto de uma forma tão simples, porem fiquei sem palavras para descrever o que senti ao ler tudo isto.
    Um dia um senhor me disse que de tudo que se pode deixar de herança para um filho, o que se deixa é educação e cultura.
    Na minha opinião, esta foi a melhor postagem. Até então.

    ResponderExcluir
  2. Fiquei extremamente lisonjeado com seu comentário. Estou pensando neste post há duas semanas, mas não queria escrever. Como a história ficou martelando em minha mente, não tive outra escolha. rs rs rs

    Esse senhor está corretíssimo, sempre achei que meu pai só enchia o saco, mas hoje vejo a diferença entre meus irmãos e eu nesse quesito de conhecimento, etc... =D

    ResponderExcluir
  3. Que bom que a história ficou martelando em sua mente.
    Sempre que algo persistir em ficar martelando em sua cabeça, é porque este algo tem alguma importância.E se é importante, deve ser feito. ;)

    ResponderExcluir
  4. Nem sempre coisas que nos atormentam devem ser comentadas, mas nesse caso, achei interessante escrever. rs rs rs

    ResponderExcluir