O término.

Adeus.

Enquanto ela chorava, ele ficou ali, sentado ao lado dela esperando que ela retomasse a conversa. Aguardou por diversos instantes até que ela conseguiu parar de soluçar. Ele tentou tocar novamente no assunto, mas assim que o fazia, ela voltava a chorar. Decidiu então ir ao banheiro, jogar uma água na cara e dar um tempo a ela.

Ela ficou ali, chorando e chorando, não parava nem mesmo para respirar. Soluçava e voltava a chorar, não conseguia conter o choro de maneira alguma. Ele disse que sairia, que voltaria mais tarde para conversarem, foi o único momento em que ela conseguiu dizer algo e pediu que ficasse, que precisavam resolver aquilo.

Ele sentou-se, puxou a garrafa de whiskey e colocou uma dose generosa. Bebeu de uma vez e logo colocou outra dose. Procurou por gelo, mas não encontrou, tomou a nova dose em outro gole. Ficou olhando para ela, esperando alguma reação, mas nada acontecia.

Ela levantou-se, foi ao banheiro para enxugar as lágrimas, lavar o rosto e voltou melhor. Conseguiu balbuciar algumas palavras completamente sem sentido. Respirou, parou por alguns segundos, engoliu o que seria o início de um outro longo choro e começou a falar. Disse que não poderia viver sem ele, que não amaria mais ninguém a não ser ele, que se tivesse coragem, se mataria.

Ele parou e começou a rir. Ela ficou irritada. Ele então começou a dizer para ela não falar besteira, que ele não seria o único amor de sua vida. Explicou que ela era muito nova para pensar assim, que daqui um, dois ou três anos ela estaria com um outro alguém. Ela gritava que não, que não amaria mais ninguém na vida, que não chamaria mais ninguém de amor. Ele insistiu em sua teoria mas ela não se cansava de repetir as mesmas coisas.

Ele então propôs que aquilo terminasse naquele momento, já não aguentava mais tanta ladainha. Ela ficou em silêncio, resolveu aceitar a separação, se abraçaram e não se viram mais...

4 comentários:

  1. Este cara do conto parece comigo. rs
    Um, dois ou três anos é só na ficção mesmo, na realidade o povo não espera nem três meses. rsrsrs

    ResponderExcluir
  2. Gostei, você é uma mulher sensata. =)

    Bem por aí, na hora em que o sentimento ainda é forte, é fácil dizer que não se envolverá ou amará mais ninguém na vida. rs

    ResponderExcluir
  3. O amor "para sempre" para mim, é diferente desses amores imortalizados e loucos e que acabam, afinal amor não é único e nem de uma única pessoa. Mas tirando a parte que o amor que todo mundo acha que existe, não existe para mim...

    Você escreve tão bem que tenho vontade de escrever um texto para dizer como você escreve bem! Saudades desses textos e de tentar descobrir o que você afinal, um estressado ou alguém que tem todos os sentimentos do mundo, mas prefere se mostrar aqui.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. O amor fica complexo porque existem variáveis instáveis demais, seres humanos. rs

    Ah, não escrevo tão bem quanto desejo, gostaria de mais criatividade e melhora em minha gramática. rs Eu me esforço, tento fazer algo que me agrade e que talvez agrade as pessoas. rs

    Na verdade não diria que tenho todos os sentimentos descritos ou vomitados nesses pequenos textos. Apenas coloco em palavras pequenas coisas que vivi ou assisti; talvez tenha assistido muito mais que vivido. Me expresso da forma mais simples do mundo, pego histórias que ouvi e traduzi em pequenos trechos para tentar alegrar pessoas como você. =)

    Beijão

    ResponderExcluir