Ato III - O início.


Você não se importa mais, eu não me importo, o que sobrou para nós? O fim? O que é exatamente isso? Como deixamos tudo que era bom tornar-se praticamente uma guerra sem razão? Não deveria deixar-me levar novamente pelos encantos daquilo que é considerado amor?

Um ano, sim, hoje foi o dia em que nos beijamos pela primeira vez. Não sei por que não lembrou, afinal de contas, normalmente as mulheres nunca esquecem essas coisas. Talvez sejam os diversos afazeres do dia a dia ou apenas um pequeno lapso de memória. Ou será que algo a incomoda tanto em nosso relacionamento que ainda não percebi?

Você não quis explicar por que não lembrou dessa data que até um mês atrás era a mais importante. Nem sequer se esforçou para explicar o motivo que a fez esquecer, simplesmente se esquivou com uma desculpa qualquer e mudou de assunto. Entendi que não queria falar sobre isso e segui o barco. Falamos sobre levar sua pequena para o parque de tarde e comentamos que poderíamos jantar fora para comemorar. Não senti uma grande vontade de jantar vinda de você, apenas parecia querer que as coisas parecessem normais.

Não me convenci, fui levar sua gata ao veterinário e fiquei o caminho todo tentando imaginar o que aconteceu para chegarmos nesse ponto. Afinal de contas, nem mesmo brigamos para que as coisas ficassem dessa maneira. Tivemos uma pequena discussão há duas semanas, mas não parecia nada grave. Nem poderia chamar de discussão porque não chegamos nesse ponto, você apenas comentou que eu andava trabalhando demais e que sentia minha falta por diversas noites. Expliquei a situação, falei sobre o projeto e você pareceu entender perfeitamente. Ah, como pude fazer o simples papel de homem e achar que as coisas estavam resolvidas.

Assim que cheguei você não estava e não havia um bilhete avisando onde foi. Fiquei mais preocupado ainda, no decorrer desse ano que passamos juntos, você sempre deixava um bilhete avisando para onde ia quando eu passava o dia em sua casa. Sentei e fiquei pensando em todo nosso relacionamento, em todas as coisas boas e ruins que passamos juntos e o saldo ainda parecia positivo para mim.

Horas e mais horas se passaram e nem uma notícia. Mesmo assim decidi não ligar, talvez você quisesse pensar na vida ou esquecer um pouco de mim. Aguardei com certa paciência por uma ligação ou você aparecer. Você voltou quase no fim do dia, já era tarde, você tinha deixado a pequena com sua mãe e sentou ao meu lado para conversar. Ficou em silêncio por longos minutos e resolveu falar. Sim, você queria terminar, disse que me importava mais com o trabalho do que com você. Expliquei que não era assim, que você estava exagerando um pouco e que desde que me conheceu sabia que em um projeto ou outro, isso poderia acontecer.

Você disse novamente que não queria uma vida assim, que não queria um homem que fosse ausente. Expliquei novamente que são fases, que não serão meses passando por isso, que não chegaria tão tarde por mais de duas semanas. Falei o quanto o trabalho era importante e que aquela conversa nunca acabaria. Não consegui entender como uma mulher com sua intelectualidade poderia reclamar de um homem que trabalha tanto. Perguntei se preferia alguém que pudesse ficar ao seu lado mas que fosse um vagabundo. Você começou a racionalizar melhor e disse que não. Você pediu um tempo, mas acho que dar um tempo é necessário quando não temos certeza do que queremos e você disse ter certeza de que queria ficar comigo. Insistiu no tempo e a única coisa que pude lhe dizer era o quanto eu te amava e te queria em minha vida. Você ficou em silêncio por alguns segundos, me abraçou e se confortou em meus braços.

Hoje eu praticamente não trabalho, passo mais tempo com a família que qualquer outra coisa. Você está sempre sorrindo, sempre feliz ao meu lado e de nossas crianças. E toda vez que nos lembramos daquela noite em nosso um ano de namoro, você sempre me agradece por tê-la convencido a ficar.

3 comentários:

  1. Nossa quanto tempo eu não aparecia por aqui.
    Adoro esta categoria e estava sentindo falta de ler algo assim.

    ResponderExcluir
  2. Faz um bom tempo que não te vejo por essas bandas mesmo. rs

    ResponderExcluir
  3. Encontrei um tempo nessa porra dessa vida que me enfiei agora. Mas como sempre tem algo que salva meus dias, e hoje foi o melhor texto que li! Eu não preciso ficar aqui falando o quanto eu amo seus textos, porque você sabe disso já. E nem que você continua sendo o meu escritor favorito do mundo virtual.

    Eu adorei, como sempre. Não tenho palavras para descrever. Queria ter mais tempo para me dedicar a leitura, a escrita. Acho que foi em janeiro que entrei naquilo que eu chamava de blog, mas pretendo voltar ainda essa semana, porque parece que eu vou explodir se não escrever. Espero que esteja bem, e por favor continue salvando meus dias que estão acabando comigo, literalmente.

    Grande beijo!

    ResponderExcluir