Barreiras nem sempre devem ser quebradas

Por um beijo seu...Aquela vontade de ver alguém, sem mesmo se importar com o mundo, sem se importar com as consequências, sem se importar com as diferenças, entre outras coisas. Já passei muito por isso, já me senti assim diversas vezes na vida, mas dessa vez é diferente, muito diferente. Há certos impedimentos na vida que não devem ser superados, que não devem ser burlados, isso porque as consequências podem ser muito graves, seja fisicamente, emocionalmente, em todos os sentidos.
Há certas regras impostas pela sociedade que realmente não deveriam existir, não deveriam ser seguidas da forma que são. Claro, em muitos casos há antecedentes que a tornaram tão eficiente e por isso elas ainda são seguidas. Algumas coisas na vida não deveriam acontecer, se realmente existisse um ser divino que olhasse por nós, provavelmente elas nunca sequer passariam por nossas cabeças. Mas quem é que realmente poderia julgar o que é certo e errado, tirando as coisas básicas da vida? Acredito que não exista ser humano, normal, de são consciência, que nunca tenha violado uma das regras da vida que pela teoria dos catetos não devesse ser violada. Sei que matar, roubar, estuprar, não são coisas corretas, salvo matar para proteger a sua vida e de sua família, a famosa legítima defesa. Mas quem definiu as regras do amor? Quem estipulou o que é certo e o que é errado nesse quesito? Falando de amor generalizando qualquer sentimento relacionado, como uma simples paixão, por exemplo.
A vida nos coloca a prova ou nós mesmos fazemos essa parte tão árdua e dura de se conter? Eu acredito, sim ainda acredito, que não escolhemos àquela ao qual chamaremos de alma gêmea, de sua cara metade, a tampa da panela ou qualquer outro ditado popular. Diversas vezes na vida lutamos contra determinados sentimentos porque sabemos onde acabarão, sabemos onde estaremos quando aquilo não der certo. Mas e quando a barreira é muito maior do que as já impostas do relacionamento em si? Se você sente que realmente algo não deve acontecer, você é o único responsável por evitá-la. Suas ações, suas palavras devem ser mensuradas para evitar qualquer tipo de confronto direto com relação à esse sentimento quando provavelmente será julgado pelo resto de sua pequena e simples vida. Se você não tem o controle da situação, arrume alguém que lhe ajude, procure alguém que possa lhe aconselhar de forma realmente eficaz e não simplesmente chegar à você e dizer que aquilo não passa de mais um absurdo que sua mente criou para lhe perturbar ou que você seja um doente mental. Esse tipo de ajuda não serve para nada a não ser lhe empurrar mais ainda para à beira do abismo, dar mais um passo em direção daquilo que você tanto tenta fugir.
Sempre pare, reflita, pense nas consequências, pense no amanhã, no depois de amanhã, na eternidade. Pense em todas as coisas possíveis, pense em tudo que pode refletir em sua vida e na vida dessa outra pessoa. Leve em consideração os julgamentos alheios provindos daqueles que nunca entenderão certas coisas, que nunca aceitarão, e não porque são pessoas sem sentimentos, apenas porque talvez sejam mais sensatas que você. Mas quem realmente define o que é sensatez?
Escrito ao som de "Lullaby" do Creed.

Nenhum comentário:

Postar um comentário